Arquivo da categoria: Biomecânica

Força vs Instabilidade

Foi vendo a foto (abaixo) do meu amigo Eric em um de seus posts que lembrei que precisava falar de algo faz um tempão! Depois volto a esse monstro!

Não deve haver UM termo muito mais banalizado no treinamento do que CORE e FUNCIONAL. Quase TUDO cabe dentro do guarda-chuva deles. Não passa UMA rodada de stories sem me perguntarem da isometria pra trabalhar Core. Ou ainda os Funcionais CHEIOS de instabilidade querendo ganhar força.

Vou te falar DE GRAÇA na lata algo que demorou MUITO pra eu aprender na marra (fora da faculdade, lógico): Força e Estabilidade estão em pólos OPOSTOS da execução. Quando você foca em instabilidade, você PERDE o peso da força na execução e SEM treinar força – sem mistérios aqui – você NÃO a desenvolve!!

Li um treinador velocista MUITO bom dizendo algo mais ou menos assim: quer trabalhar CORE? Dê tiros de velocidade (100%). Agache com MUITO peso. NADA trabalha mais Core do que isso!

Experimente fazer 5×4 agachamentos livres com a barra à frente! E me fale do seu Core. Eu posso fazer 15 minutos de prancha e ok. Agachar com barra à frente? Preciso de DIAS pra me recuperar na região. Dias.

O Eric é um monstro. O conheci e ele era ainda menino. Tenho vergonha de falar quantos anos já fazem. Segundo ele, “seguindo suas dicas, comendo bem, mudei algumas coisas e passei de 85kg pra 81,5kg”! Quando ele me chamou dizendo que queria orientação não pensei 2x! Quem não gosta de trabalhar com atleta de Verdade? (com V maiúsculo)

Vivo dizendo que corrida é no plano sagital. Majoritariamente. A cada passo, o nosso e o corpo do Eric querem desmontar, se contorcem no plano transverso. Quem não deixa “quebrar a forma”? Os estabilizadores. Só que ele corre rápido igual um demônio! Quem você acha que tem que segurar a bronca? Os estabilizadores!

Só que não há como dar FORÇA a eles com estabilidade, carga baixa e estática (isometria)! Veja bem, ele PRECISA da resistência da força específica! Como ele dá tiros pra baixo de 11 segundos e agacha com um geladeira nas costas o resultado é esse aí.

Resumo: a instabilidade NÃO pode ser um fim que SACRIFIQUE o que vc MAIS quer, FORÇA específica!

📸 Fractal

Etiquetado , ,

O Trials (EUA) e o mercado dos rápidos

Gosto de olhar para a seletiva americana na Maratona (Trials) nos EUA como um espelho do mercado dentre os que gostam de correr rápido por alguns motivos. Pela característica dele, juntando cerca de 700 corredores, em vez de olhar para o pódio de majors, diluímos assim o efeito dos atletas patrocinados no perfil dos tênis mais escolhidos. Por exemplo, dentre os 6 que se classificaram pros Jogos, temos 2 que não tinham contrato com marcas! Na turma que vem atrás, temos ainda centenas de outros que têm que arcar ($) com o próprio tênis.

Vamos à imagem 1, tirada do Twitter. Um perfil fez uma contagem por equipe similar à que se usa no cross-country, somando a posição dos 3 melhores de cada “equipe” (marca esportiva) e o menor número assim ganha. No masculino nenhuma surpresa na liderança, Nike. Mas em 2o? Aquela marca que mais rápido lançou seu modelo com placa de carbono, a Hoka.

Quais outros destaques? adidas lá atrás (4o). ASICS? UM único atleta resolveu correr de ASICS, marca que já foi líder anos atrás no maior mercado do mundo, o americano. Brooks? Saucony? New Balance? Marcas MUITO fortes nos EUA não emplacam por aqui. Eu tenho minha explicação-chute, o Rodrigo Carneiro da Velocità sempre discorda dela.

No feminino fica interessante! Hoka à frente da Nike! Ex-líder ASICS? Gigante adidas? Lá atrás (5o e 7o, respectivamente).

Na imagem 2 desse post (que não sei a origem, por isso vai sem créditos, mas peguei foi com o Rodrigo Roehniss) temos os tênis por MODELO. Lembro que a Nike ofereceu gratuitamente o Alphafly, então é natural que houvesse tantos na prova, POR ISSO que acho a combinação desses levantamentos relevante… ele agrega um conjunto de quase 700 atletas MUITO rápido, MUITOS deles SEM patrocínio levando ainda em consideração a classificação final (ranking por “equipes”).

Não me espantou Nike como líder. Me espantou a Hoka (ágil na resposta ao mercado) e como marcas antes tão usadas ficaram TÃO pra trás tão rapidamente.

Por último, mas não menos importante, antes de você sair correndo pra imitar o tênis que as mulheres usam pra ver se corre mais rápido, talvez valha dar uma passada na imagem 3 e ver o volume SEMANAL de treino delas! Essa parece ser a real explicação, mas duvido que os amadores tirarão essa conclusão. Até porque os amadores não querem enxergar isso!

Etiquetado , , , , , , , ,

O que Tom Cruise nos ensina sobre Corrida?

Não sabemos exatamente onde surgiu a piada, mas não faltam na internet vídeos e textos compilando as cenas de Tom Cruise correndo em seus filmes. Hollywood adora isso! Em filmes de ação com longas cenas de fuga ou perseguição. Nelas o herói aparece por quarteirões correndo para salvar o planeta. E como ele corre?

Se o espectador médio soubesse diferenciar corrida (rápida e) curta de corrida longa, os estúdios teriam que contratar consultores porque o resultado geralmente é constrangedor.

NÃO É SÓ TOM CRUISE…

Geralmente as fotos de divulgação de inscrição pra provas e vídeos e posts de influenciadores digitais são igualmente constrangedores porque cometem o MESMO erro dos filmes: filmam uma corrida de 5 segundos. A mão reta, dedão pra cima, cotovelos 90 graus, olhar sério focado obliquamente para o horizonte, pés de bailarina…

Se imaginam correndo certo sendo que nem assim é o certo!

O lance de Tom Cruise é que a corrida é artificialmente muito intensa. Rígida, mecânica, exagerada. Sabe por quê? Porque ele finge correr por minutos gravando várias tomadas de poucos segundos!

Ontem Kenenisa Bekele venceu uma importante prova na Inglaterra e o comentário de um aluno meu foi: nossa, ele corre muito fácil, sem fazer força.

É isso: SEM FAZER FORÇA!

Quando você TENTA correr direito, você faz força. E quando você faz força, você não corre fácil. E se pensa em COMO correr, não faz fluido. Meu mantra, e meu mote aos que oriento na pista durante as corridas coordenadas (aquecimento específico) é: RÁPIDO E RELAXADO.

Tom Cruise é motivo de piada nesse ponto. Eu até acho que ele corre bem bonito tecnicamente! Mas assim como as explosões em Missão Impossível, por exemplo, é bem artificial. Não tente imitar.

Etiquetado

Força!

SEMPRE que vc tiver alguma dúvida da importância da força em se correr bem, repare nesta foto da venezuelana Yulimar Rojas, que bateu essa semana o recorde mundial indoor do salto triplo, metendo 15,43m em Madri.

Acho que é BEM claro até intuitivamente pra todo mundo que quanto mais colocamos força fazendo em um gesto, MENOR é nossa acurácia, precisão, controle deste mesmo gesto motor. A meta da triplista é ir o mais longe possível, mas empurrando seu corpo na reta que é permitido pela regra ela faz muita força e se desloca um pouco lateralmente involuntariamente (lembre-se que ela quer ir para frente, não pros lados!) e ela faz isso mesmo SABENDO que pode lhe custar alguns centímetros. Mas ao “empurrar” perde um pouco da precisão, mas ganha velocidade! E ela só consegue isso fazendo força!Dia desses alguém escreveu “ah, mas os africanos não parecem fortes”… 2 pontos aqui!

No esporte a força funcional leva em conta o tanto de peso que carregamos (o corporal). Quantitativamente os africanos realmente não são fortes, pesam menos de 60kg… Eles precisam fazer quantitativamente bem menos força que um amador de 88kg, por exemplo. A força é assim proporcional!

Dia desses postei na turma dos meus workshops o treino de força de um dos maratonistas mais conhecidos da atualidade… 4 a 5 séries de 5 agachamentos totais com 80kg, algo como 1,3x seu peso corporal… voltando ao corredor de 88kg: você acha que ele consegue fazer com 115kg? Aliás, VOCÊ consegue??

Por fim, o segundo ponto… não confundir força com tamanho… Rojas é longilínea, assim como os saltadores em altura… e eles são ambos EXTREMAMENTE fortes. Duvida? Vá um dia acompanhar um treino desses atletas. Hipertrofia é UMA coisa (estética porque privilegia o volume sobre a força), já FORÇA é funcional! É outra coisa MUITO diferente!

Etiquetado , ,

“Smoothness”

Ultimamente não tem se passado um dia sem que eu pense que a melhora na corrida de um amador deveria vir baseada em ganhos de força acima de qualquer coisa. Lembro que quando ainda trabalhava com velocistas, no universitário feminino eu dizia que o melhor revezamento não se ganhava treinando na pista, mas na musculação. No feminino com uma barra e muitas anilhas e você mal precisava levá-las à pista correr!

Dia atrás vi a imagem de uma corredora descalça correndo. Foi angustiante. O pé, nossa ligação primária com o ambiente, era tão fragilizado que você mal enxergava seu arco. Essa pessoa, tenho CERTEZA, se preocupa com tênis, pisada, volume de treino, ritmos e tem um pé que tem menos músculo que um pastel de carne.

Seus joelhos voltados pra dentro, sinalizando pernas e quadris que não suportam sequer seu peso, o que dizer de UMA perna sozinha por vez suportando TODO o peso somado ao impacto?

Todos enxergamos correr como nossa capacidade de GERAR um trabalho, mas ela é ANTES disso derivada de nossa capacidade de ABSORVER a carga INTRÍNSECA da modalidade. É como achar que podemos atacar sem defender! Ou seja, o corredor se preocupa com a chuteira, com caneleira, a tática do adversário, mas não repara que seu time entrou sem goleiro e zagueiros.

CRAIG PICKERING é um ex-velocista que escreve brilhantemente. Ele resolveu se debruçar sobre a suavidade e a fluidez (“smoothness”) na corrida. E a capacidade de ABSORVER IMPACTOS parece ser decisivo nessa história! Uma corrida passiva (que joga ao tênis esse trabalho) é ineficiente. E a fragilidade traz movimentos descoordenados (por trabalhar sempre no limite da exaustão).

Muitos dos corredores (amadores!) que mais admiro têm essa leveza! Parece que suas articulações são mais lubrificadas que a média, mas na verdade olhando a fundo vemos que são pessoas fortes, que faz a corrida parecer fácil, natural, fluida!

Os educativos “quebram” a fluidez da corrida (porque encara tudo em separado) e a fragilidade do conjunto nos impede de qualquer coisa. Pense nisso!

p.s.: não foi à toa que escolhi para este tema foto do velocista de corrida mais linda da história, Tyson Gay.

Etiquetado , , , ,