Arquivo da categoria: Psicologia

E se houvesse um teste-cego de tênis?

Quando escrevi meu primeiro livro sobre corrida, O TREINADOR CLANDESTINO, um dos capítulos tratava sobre tênis e prevenção de lesões e nele apontei 2 levantamentos que mostravam relação de associação de maior satisfação e de menos lesões com tênis mais BARATOS. Você leu certo, quanto mais barato, MELHOR.

Quando ainda trabalhava na adidas eu comentava que o ideal era um teste cego com pessoas correndo com o mesmo modelo (sem que obviamente soubessem disso). 

E não é que o estudo foi feito?? Não por uma marca, lógico! Elas já imaginam o resultado!

Eu falo que as fabricantes imaginam porque não passa um dia sequer sem que eu me reforce da ideia de que entre os inúmeros tipos de clientes, há 2 que acabam sendo atendidos pelo mercado: 

1. OS TOLOS. Mas a marca dificilmente tenta falar com esse. Empresa picareta é que tenta fazer isso. Fabricantes vendem pra esses, mas não tentam conversar muito com ele.

2. OS QUE QUEREM SER ENGANADOS. Esses criam uma demanda enorme no mercado de corrida. São a maioria! 

 

Veja bem, existem outros tipos de clientes, ok?!

O estudo deu aos corredores 2 tênis iguais, pedindo ao “atleta” (corredor gosta de ser chamado de atleta) e pedia para comparar o conforto. Um tênis custava U$50 e outro era um lançamento “desenhado para maximizar o conforto” custando U$150. Qual você acha após o teste drive que era eleito mais confortável? O caro, certo?

O problema era: sem saber o “atleta” havia testado o mesmo tênis! 

A precificação de tênis atende a um desejo do mercado. Você cobra caro porque o atleta QUER pagar caro. Eu falo isso há um bom tempo. Ele reclama em público, mas o tênis é antes de tudo um SINALIZADOR SOCIAL.

 

p.s.: um bom tempo atrás escrevi uma série nesse tema….

p.s.2: Effects of deceptive footwear condition on subjective comfort and running biomechanics (CHAN & CHEUNG et al) 

Etiquetado , , , , ,

Kiev, Brad Pitt e Hipocrisia

Ontem revi pela enésima vez “Guerra Mundial Z” (vejo todos os filmes com o Brad Pitt, não pelos motivos pelos quais mulheres assistem). No começo há um pedido: a OMS pede que todos fiquem em casa e não saiam, pois uma vacina está em pesquisa. A vida imita arte, não? Mas Brad Pitt tem que sair às ruas pra nos salvar.

Essa semana vi ainda o documentário “Winter of Fire” que reconta os protestos na capital ucraniana entre novembro de 2013 e fevereiro de 2014. Por cerca de 100 dias a população acampou na praça central pra lutar pelo fim de uma ditadura que se formava. Resultado: 100 mortes.

Não seria mais fácil “ficar em casa” protegendo a vida dessas 100 pessoas? Teria ditadura? Teria, mas veja bem… fique em casa!!!!

No debate de correr sem máscara uma coisa me chama a atenção: quem argumenta contra a prática não tem NENHUMA boa índole (pode até ser ignorante, Boa índole? NÃO!). Essa pessoa, quando o faz publicamente, apenas e tão somente está exercendo SINALIZAÇÃO DE VIRTUDE. Ela é apenas uma pessoa tentando disfarçar uma patológica VAIDADE (ou ignorância) como se fosse empatia ou desapego.

Reforço: a pessoa que fala pra não correr sem máscara em prol do bem comum TEM QUE se comprometer a NÃO correr sem máscara até o fim do ÚLTIMO caso de COVID! Do contrário nós saberemos que ela NUNCA fez isso por bondade, mas apenas e TÃO SOMENTE por marketing pessoal. Se correr com UM caso de COVID no Brasil essa pessoa é FALSA.

Uma pessoa REALMENTE boa não faz algo bom porque a lei assim determina, mas porque ela ACREDITA ser o certo a fazer! Se correr sem máscara pode matar alguém, a máscara pode ser encostada SÓ quando o ÚLTIMO caso for curado! POUCO IMPORTA a lei!

Ninguém faz posts no Instagram sobre todas as leis que ela obedece. Isso não faz sentido! A pessoa faz post no Instagram sobre uma lei que ela segue quando ela quer MOSTRAR aos outros, faz isso quando o post serve apenas a UM PROPÓSITO: marketing pessoal.

Sabemos que quem posta “não corro/ não corra” não é bondoso na concepção da palavra, é apenas alguém fazendo marketing pessoal em meio a uma tragédia. Isso pega mal e ainda fica tudo registrado.

Etiquetado , ,

Corrida, depressão e vício

Aproveitando a deixa falando de corrida como um sintoma psicológico, vou colocar aqui de novo o que escrevi pouco mais de um ano atrás aqui mesmo no Recorrido sobre o que penso da corrida como tratamento na depressão ou como sendo “viciante”.

***********

Se tem algo do qual NÃO gosto muito de falar a respeito é da associação que vira e mexem fazem com a corrida nos campos (do tratamento) da depressão e sobre ela causar vício e dependência. Da depressão não gosto nem de falar quando associam a corrida como tratamento para ela. É uma doença TÃO terrível e TÃO estigmatizada que o simples debate com o público dá a entender que a corrida seria uma espécie de remédio. Corrida só pode ser remédio para quem GOSTA minimamente de correr. O indivíduo com depressão não deveria buscar a corrida, mas o ESPORTE como ferramenta de auxílio, NÃO como remédio.

Ser viciado é BEM diferente de ter prazer. Gostar de correr não te faz um viciado. Minha crítica ao debate da sua prática ser viciante é porque SEMPRE sugerem ou dão a entender que ela vicia mais do que realmente pode viciar.

Eu tenho prazer em correr (são muitos anos correndo), mas não tenho graves e sérias crises de abstinências quando não corro. Aliás, estou há 10 dias sem conseguir correr (mas treinando força) porque meu calcanhar dá sinais de que precisa de uma cirurgia iminente. Experimente deixar um viciado sem narcótico ou droga todo esse período.

Não é nada simples definir quando algo “te vicia”. Quando falamos de uma substância ser viciante (e eu sei que a corrida não é uma substância) a American Psychological Association (APA) define 7 pontos dos quais havendo AO MENOS 3 você tem algo viciante. Porcamente resumindo seria: tolerância, abstinência, “bingeing” (overdose, uso excessivo de uma vez…), desejo de largar, procura/desejo (craving), interferência (negativa) na vida e consumo APESAR do mal que causa.

Para alguém ser MESMO viciado em correr tem que ser alguém que corre MUITO. Mas MUITO. Em frequência e tempo (nem estou falando de ritmo!). Outras coisas REALMENTE e claramente viciam a muitos… açúcar, entorpecentes, cigarro, álcool, fármacos, sexo, jogo… Não precisa ser especialista para saber que não entram todos no mesmo balaio. De uns é mais fácil sair do vício que de outros. Fora que por vezes confundimos hábito com dependência… o hábito (por exemplo, parar para correr dia sim dia não num parque na volta do trabalho pra casa) facilita o trabalho ao nosso cérebro (MUITO preguiçoso) porque esse hábito é uma tomada de decisão A MENOS que tem que ser feita. Se você come uma tapioca sempre e SOMENTE SE você corre há assim ainda a questão de associar a corrida com o fim do expediente ou de uma recompensa. Seria a corrida o vício? Não!

Como disse, é complexo. E o debate da corrida ser viciante ou ajudando pessoas com depressão não só acho simplista como quase insensível (com viciados, dependentes e doentes).

Etiquetado

Quando a Corrida é sintoma, não tratamento.

Já me perguntaram sobre correr dentro de casa na quarentena e falei mais de uma vez: correr dentro de casa não é parte da cura, mas sintoma de uma doença.

Em inbox me mandaram que um dos argumentos é que se isso dá paz mental à pessoa, deveria ser feito. Porém, quem sofre de TOC e precisa dar 15 voltas no próprio eixo antes de abrir a geladeira, por exemplo, não pode achar normal buscar paz nesse gesto irracional. Dar as 15 voltas não é dar paz mental, não é tratamento! Isso não deixa é de ser um sintoma de um problema.

Pois bem, em “On the Wildness of ChildrenCarol Black explica que durante décadas nosso modelo de dependência de drogas foi baseado em pesquisas realizadas com ratos de laboratório. Em um dos experimentos os animais podiam pressionar uma alavanca para receber água com heroína ou com cocaína. Os pesquisadores descobriram que os ratos pressionariam a alavanca e consumiriam droga até que morressem disso! A droga seria então, segundo as conclusões, a CAUSA do comportamento viciante.

Tudo muito lógico não?!

Porém, foi o psicólogo Bruce Alexander (em The Globalization of Addiction) que notou algo especial. Os ratos que se mataram assim estavam isolados em um ambiente não-natural, artificial, estéril, onde NÃO havia nada de mais, de natural para distraí-los ou ter o que fazer.

Vejamos, quando eles foram colocados em um ambiente mais natural, diversificado, onde eram capazes de interagir livremente com o meio-ambiente e mesmo com outros ratos, o uso de drogas foi reduzido em 80%. Ou seja, se você lhes desse uma VIDA real, um ambiente e um mundo no qual eles QUEIRAM VIVER, eles NÃO se destruíam com as drogas.

Mark Baker argumenta que um animal selvagem não é feliz em uma gaiola, por isso ele manifestará com gestos repetidos e comportamento perturbados. Por isso tenho pavor de entrar em lojas que vendem aves em pequenas gaiolas… você percebe em instantes como estão perturbadas. Liberte o animal e ele volta ao seu normal.

Essa gente pregando “corra dentro de casa” sinalizando virtude (“olha como sou virtuoso sou guerreiro e amo correr, quem sai de casa é egoísta!”) acha que está resolvendo um problema, quando apenas nos mostram sintomas de sua doença.

Etiquetado ,

Os clássicos ensinam – percepção de ritmo

A quarentena me fez estudar corrida de forma diária e metódica que não fazia havia mto. Ando preenchendo uma lacuna que me incomodava: não tinha mergulhado nos detalhes nos diários de treino de alguns ícones e ainda de arquivos da primeira metade do século passado.

Desde ontem me enfiei em 3 clássicos de 1896. E em vários capítulos há uma obsessão: a capacidade do atleta em determinar o ritmo de corrida. Isso vai em paralelo justamente com o DESCUIDO que amadores dão a o aprendizado de algo tão enfatizado há mais de um século!

Correr “GPS-dependente” é como dirigir olhando o velocímetro do carro a cada quarteirão, correr com frequencímetro pra saber a intensidade do treino é como o motorista que tem que olhar pro câmbio pra saber qual marcha está usando. Eu nunca andaria no carro de alguém que dirige assim. Eu lembro que pedia aos velocistas pra darem tiros de 120m acertando a casa do DÉCIMO de segundo.

Quando o corredor dá tiros de 1km olhando pro GPS ele incorre a um GRAVE erro. O GPS dá a velocidade INSTANTÂNEA da corrida que POUCO importa porque ela NUNCA é estável, a mesma, porque a corrida é uma sucessão de saltos, ou seja, ou a pessoa está acelerando ou desacelerando!

Quando a pessoa checa PARCIAIS de um tiro ela tem um cenário mais amplo, mais preciso, mais FIDEDIGNO porque ela compara sua SENSAÇÃO de esforço pela metragem em questão. E é ESSA sensação que ela PRECISA, que ela vai COMPARANDO e criando referências.

Um jeito de se conseguir isso é treinar algumas vezes “às cegas”. Por exemplo: num treino de 6x1km a pessoa só checar alguns tiros (metade?). Ou então checar apenas algumas parciais (a primeira metade, a segunda metade, o primeiro terço…). Quando ela se guia pelo GPS (velocidade instantânea) ela NÃO recebe um feedback de esforço porque o esforço tem que se relacionar com PERÍODOS, não com um MOMENTO.

Outra coisa que uso muito são velocidades DISTINTAS pra assim criar PERCEPÇÕES distintas. Quem treina comigo sabe que uso NO MÍNIMO 6 velocidades. E se você NÃO é capaz de fazer um treino SEM relógio CUMPRINDO com BOA PARTE do programado você tem um ENORME problema em mãos. Você só não sabe disso. Isso é sabido pelo menos desde 1896. Pelo menos…

Etiquetado , ,