Leituras de 5a feira

Auto-jabá: no outro blog eu falo sobre o meu experimento pessoal com a dieta carnívora.

Um texto bem legal com 3 das maiores maratonistas brasileiras na história (todas ainda em atividade) fala sobre a carreira e dicas para sucesso na distância. Bem legal! *dica do Carlos Gueiros

Auto-jabá (2): seu cão come grama? Quer saber o motivo disso?? Leia aqui!

ÚLTIMA CHANCE! Você gosta das ideias sobre Nutrição que compartilho com vocês aqui? Pois é… em parceria com o canal Corrida no Ar farei uma palestra este sábado na loja Velocità Moema (SP) sobre Nutrição na Corrida, mitos, verdades e o que realmente funciona. Quer saber um pouco mais sobre o evento? Veja o vídeo abaixo! Se interessou e quer dar as caras e trocar uma ideia comigo? O evento tem suas inscrições feitas nesse link. É pago adianto. Caro? Mais barato que o BCAA que meu professor pedia para comprar na loja dele… muito mais barato que a consulta do meu outro professor que fala aquelas groselhas típicas de acadêmico que nunca correu. Pense como um investimento, vou te livrar de muita roubada! Clique aqui para se inscrever!

Etiquetado ,

Leituras de 6a Feira

Auto-jabá: no outro blog falo sobre a pobre e mal compreendida caloria.

Um texto bem legal, em primeira pessoa, da Kara Goucher que se perguntava por que Deus teria dado tanto talento a uma pessoa como ela. Quem gosta MESMO de esporte sabe como é legal ver uma pessoa especial competindo.

Semanas atrás saiu uma lista dos atletas mais “em forma” do mundo e teve muito maratonista e triatleta achando injusto haver tanta gente do Cross-Fit e basquete na frente do Eliud Kipchogue e de Ironman… Na boa, pedalar, correr e nadar por muito tempo é fácil! Quero ver é correr rápido DEMAIS com uma bola e meter caixa com um monte de marmanjo te batendo e te puxando! Raúl, monstro, boleiro APOSENTADO, 41 anos nas costas meteu 1h24 numa Meia Maratona em Barcelona!

Para quem gosta do tema e saber de uma realidade tão distinta da nossa quando o tema é racismo, a atleta Kendra Chambers fala sobre ser uma atleta negra nos EUA.

Você acha que corre muito? O atleta olímpico (3.000m com obstáculos em Atenas/2004 e Pequim/2008), o Anthony Famiglietti meteu 3’59” correndo uma Milha (1.609m) com seu cachorro, o Bailey! O PB do americano é de 3’55”. Veja que no 3’06” e no 3’26 Bailey olha pra trás meio que dizendo algo do tipo “vamo senão não dá”! Sensacional!!

Etiquetado ,

Medalhas para guias – opinião impopular do dia

A Maratona de Londres anunciou mudanças para os corredores que correm com e como guias. Basicamente duas mudanças. Uma é que agora guias terão chips para registro de tempo. Mas a principal é que, respondendo a inúmeras reclamações de guias, eles também receberão medalhas e kit.

Já faz algumas corridas que algo me incomoda. Na última Maratona de Paris eu presenciei uma maratonista que foi derrubada FEIO lá pelo 30km (o suficiente para acabar com a prova de alguém) por causa de guias batedores em torno de um cadeirante empurrado. Ela ficou indignada. Eu ficaria. Digo mais: CLARAMENTE os guias pareciam se divertir mais que o cadeirante.

Já faz alguns eventos que reparo em provas brasileiras MUITAS pessoas correndo como batedores com cadeirantes. O gesto é bonito, nobre. Acho isso DE VERDADE! Porém, já vi limusine de chefe de estado com menos gente em volta. Até aí tudo bem. Mas… e quando prejudicamos um terceiro?

“Those who are in it to the good won’t tell you that they are in it to do good”

(“Aqueles que estão nele para o bem não lhe dirão que estão nele para fazer o bem“)

Dias atrás treinei com o preparador físico de uma seleção campeã olímpica. Ele não ganhou medalha, diferentemente dos atletas. Conheço até velocista que correu semifinal olímpica e que não tem medalha porque foi reserva na final. Quando fazemos algo a alguém, doamos esse algo. Se a pessoa PRECISA dessa medalha para SINALIZAR a todos que MERECEU e que ELA correu 42km empurrando ou ajudando alguém, é de se repensar o gesto. Passa a ser altruísmo para ser egoísmo. Simples assim.

Etiquetado , ,

Leituras de 6a Feira

A Oiselle é uma daquelas poucas marcas que eu gostaria MUITO de ver no Brasil. Tem personalidade! Uma de suas fundadoras, a ex-atleta Lauren Fleshman fez um texto muito sincero de como é (tentar) redescobrir o gosto pela corrida após passar do pico, após a corpo dar sinais de que não consegue ir mais rápido. Para quem já tentou alguma vez na vida tentar de verdade correr o mais rápido possível, é um texto bem bacana!

Já falei nesse espaço da palestra que darei em SP dia 23 de fevereiro sobre Nutrição na Corrida. Se você perdeu o post, publiquei lá no outro blog maiores informações. Veja lá!!

Um texto excelente de Ross Tucker sobre um assunto que vira e mexe a TV se debruça: estariam os atletas avançando a idade na qual ainda conseguem sucesso? Eu tenho enormes dúvidas com o otimismo de quem fala que hoje o atleta profissional atualmente é mais longevo. Na verdade nem discuto muito isso… você tem inúmeros exemplos de sucesso depois dos 30 anos, uma raridade antes. Minha implicância é com o que seria a explicação disso. Daí toca o médico do esporte e o fisiologista do esporte que nunca treinaram ninguém falar que hoje a tecnologia e os tratamentos para recuperar prolongam a vida. Pode até ser que seja um pouco (mas beeem pouco) verdade. Nada rege melhor o esporte do que… dinheiro! Atletas hoje podem competir menos, podem fazer uma grana extra boa mesmo passado do pico, podem viver do esporte (antes competiam uma edição dos Jogo Olímpicos e Mundial e depois iam tocar sua vida)… sempre que vejo gente de jaleco explicando que razão é a fisiologia do exercício, é a tecnologia, vejo que o debate é pobre porque não vê o principal: a tremenda profissionalização! Ainda hoje fazemos no treinamento 80% do que faziam décadas atrás. A mudança é em outro campo. Tucker é o PRIMEIRO que vejo falando o óbvio! Não à toa ele é diferente! Não à toa ele NÃO está na TV!

Bom, vocês sabem o que penso das diretrizes de Nutrição, seja na saúde, seja no emagrecimento, seja no esporte, seja na hidratação… algo está MUITO errado quando você tem gente tão de fora da área mostrando como a ortodoxia de um setor não para em pé. Uma vez que na Nutrição as recomendações são baseadas somente na teoria, não na prática, essa passa a ser a norma: gente de fora mostrando como TUDO está errado. Agora é o pessoal do 538 que recapitula a história por trás da orientação de se entupir de bebida esportiva durante a prática física. Surreal, bisonho. Leitura das melhores! *super dica do Luis Oliveira!

Meio off-topic: Donovan Brazier é um meio-fundista americano bem jovem e talentoso. O americano escreveu um texto bem legal na Spikes falando sobre ser negro, Muhammad Ali e o quê a dedicação (na corrida e na vida) pode nos ensinar! Bacana!

Off-topic: o vídeo do dia não é correndo, é andando, mas foi feito em uma das paisagens mais lindas que conheço, em um país apaixonado por corrida, que corre demais e que todos deveriam um dia ter a oportunidade de correr por lá, o Reino Unido. O coisa linda aquilo ali! #UKin100Seconds

Etiquetado ,

Leituras de 5a Feira

Que o queniano é um povo corredor sabemos, mas que eles têm o hábito também de correrem pelados é novidade! Longa matéria sobre um grupo com essa tradição peculiar.

Auto-jabá: no outro blog eu explico que o bom zoológico é aquele que mantém os obesos fora das jaulas!

Longa Leitura do Dia: dias atrás fui almoçar com o Leo Moratta um treinador que sabe TUDO de treinamento de força e que é quem vem me treinando nessa capacidade (acredito muito nisso de ser treinado por outro). Compartilhamos muitas ideias (ele mais ensina e eu mais aprendo) sobre esse assunto. Quando saía do restaurante onde almoçamos dias atrás eu o encontrei me esperando na porta na posição de cócoras checando suas mensagens ao celular. Pode parecer estranho, eu sei. Por que o natural assusta tanto? Eu tenho uma regra pessoal: ando muito de metrô/trem, mas eu não me permito sentar quando utilizo esse transporte. Fico em pé lendo, não me sento. Uma coisa que me chamou a atenção na Etiópia é como as pessoas ficam naturalmente de cócoras enquanto vendem as coisas nas ruas. A cerimônia do café, inclusive, é feita em uma mesinha que bate na altura do nosso joelho. É comum quem serve ficar de cócoras. No começo dos meus treinos peço sempre aos atletas após o aquecimento ficarem de cócoras. A maioria não consegue. Em uma sequência de stories em meu Instagram falei recentemente sobre treino de força e falava do agachamento como ótimo exercício. Nisso alguém comentou que fazia apenas o meio-agachamento por causa de dores no joelho. Como é?!? Agachar até ficar em cócoras é um gesto natural! Quando fazemos apenas o meio-agachamento por medo de lesão, acabamos aplicando na articulação do joelho mais carga do que teria no agachamento completo. Qual o sentido, então?! Conseguir ficar de cócoras é sinal de que o corredor tem boa mobilidade de quadril e de tornozelo (que é bem diferente de flexibilidade). Quando ele não faz esse gesto ele limita a sua corrida! Muito provavelmente aumenta suas chances de lesão! Piora sua saúde! O ÓTIMO texto que trago aqui fala sobre a perdida arte de ficar de cócoras pelo péssimo hábito de ficarmos sentados tanto tempo diariamente.

Auto-jabá 2: fui consultado para uma matéria da Secretaria Especial do Esporte (do Ministério da Cidadania) sobre o crescimento do mercado de corrida.