Arquivo da tag: Mercado de Corrida

Volume mata sua Velocidade?

Temos que sempre olhar com um pouco de cautela o que a elite tem a dizer. Primeiro porque precisamos olhar as nuances. É fácil adotar a dieta que a elite consome fingindo não saber que treinam 12 vezes na semana e que são tolerantes, são fora da curva.

Tem mais. Muitos usam substâncias proibidas, que jogam fumaça na compreensão do que é fruto de treino ou do doping. E por fim porque esses caras são – de novo – fora da curva. Eles parecem tolerar e melhorar com qualquer coisa.

Dia desses vi o longevo Nick Willis falando sobre treino de velocidade. Muito me espanta o tão pouco que amadores treinam essa capacidade. Seja por ignorância técnica do treinador, seja porque dá (muito) mais trabalho coordenar uma sessão assim, seja porque exige vivência (olhar crítico) de um profissional que em sua enorme maioria só conheceu corrida pelos livros da faculdade.

O conceito de que volume diminui a velocidade é um ENORME erro interpretativo. Você perde aquilo que você NÃO treina. Quando você sai do curso de francês pra passar a estudar espanhol não é que ler Gabriel García Marquez te faz esquecer a língua da Édith Piaf. Você piorou o francês porque você DEIXOU de praticá-lo.

Willis falou do tanto que faz treinos de velocidade com ADEQUADO descanso (entre os tiros) AINDA QUE possa estimular a velocidade DIARIAMENTE. Falo tranquilamente: mais de 95% das minhas intervenções em treinos é pedindo que o corredor REDUZA a velocidade do tiro. Motivo? É o ácido lático constante que parece “matar” o corredor. Mesmo meio-fundistas o visitam somente 2, 3, 4x na semana.

Dia desses um leitor que corre provas de 5km a 6’00″/km falava que dava tiros de 1km abaixo de 5’00” porque acha que (mais) ritmo é o que determina a evolução. Resultado: treinos com intensidades de meio-fundista e volumes de fundista. ISSO é que mata o corredor.

Lições básicas (não ensinadas na faculdade):

1. A velocidade é o que o corredor MAIS quer. Então ela PODE ser visitada TODO SANTO DIA se feita com estímulos e pausas adequadas.

2. Se você NÃO a estimula, você a perde! Volume NÃO diminui a velocidade. É NÃO treiná-la que te faz perdê-la.

3. É a dose CERTA da carga de treino que gera melhora. Mais não é melhor!

 

Etiquetado , ,

As mentiras que nos contam…

Não sei vocês, estou me divertindo (e me emocionando) com o The Last Dance (Netflix). Uma das coisas que a gente sempre especula na faculdade é como seria a rotina dos melhores do mundo… devem fazer fisio preventiva, profilaxia, devem seguir o que os nutricionistas esportivos tanto pregam por aí… pffff…

No meu tempo de faculdade era um mundo de pouco fluxo de informação, baseado em desejo, teoria e especulação. Aí você vai conhecer a realidade…. A experiência que eu tive até hoje acompanhando e ouvindo é essa do The Last Dance

Para quem não viu ou nem vai ver a minissérie, ela revela jogadores da principal liga de basquete do planeta (NBA) terminando jogos decisivos. O que acontece? Gelo? Botas pneumáticas? Lanche com proteína 4:1 carboidrato? Não… charuto, cerveja, vestiários sem cuidados…

Futebol? Idem. Minha experiência com atletismo? Idem. Handebol, rugby, natação, ciclismo…? Idem.

AH O AMADOR… como é fácil iludi-lo… Basta dizer você DIZER o que supostamente prós fazem para eles (literalmente) comprarem a ideia (pagando bem)…

 

p.s.: os melhores com quem treinei e competi faziam (e fazem!) coisas INIMAGINÁVEIS após os treinos… e andavam na frente… já os que andam lá atrás…. nossa… que vida triste… que morte horrível.

p.s.2: mas esses caras treinavam horrores…. igual um cachorro!

Etiquetado , , ,

160km e 0 calorias

Você conhece o ultramaratonista Michael McKnight? Tudo bem, não é preciso. Como você só precisa de UM caso pra derrubar TODA uma teoria, McKnight nos serve! É o conceito do Cisne Negro, você precisa de apenas UM cisne negro pra derrubar a ideia de que todo cisne é branco.

Dias atrás um leitor me mandou o link de uma dessas revistas ruins (dessa vez era de triatlo) com uma nutricionista-vendedora explicando que carboidratos são essenciais ao desempenho (de triatletas) na longa distância.

De cara 2 erros. Primeiro, quem já trabalhou com isso sabe que uma revista nada mais é que um catálogo de vendas. Ela lutará para defender seus chefes, os anunciantes, no caso, fabricantes de suplementos esportivos. Nada melhor que uma vendedora diplomada pra fazer o serviço. E segundo, você JAMAIS deveria ouvir o que nutricionistas têm a dizer sobre esporte e desempenho. Quando um atleta meu deixa mexerem em sua dieta, eu tiro meu corpo fora, não respondo pelo que irá acontecer.

Basicamente os Nutricionistas IPI dizem que uma vez que nossa reservas de glicogênio (muscular e hepático, no fígado) são (bem) limitadas (e são!), você precisa toda vez que sair de casa, andar com um sachê de gel. Se eles tirassem a b&nda do consultório e fossem a UMA competição na vida veriam que esse raciocínio não sobrevive.

UM DOS objetivos do treinamento é fazer o corpo criar adaptações para fazer aquilo que atualmente lhe é inviável. E aqui entra McKnight e a restrição de carboidrato.

McKnight aderiu à dieta cetogênica para mostrar que é possível correr 160km sem ingerir nada além de água e eletrólitos. Como isso é possível? Vou falar em algumas linhas o que 99% dos nutricionistas não conseguem entender em 4 anos de faculdade…

Na restrição de carboidratos da dieta (seja ela low-carb, seja cetogênica, que é uma “very low-carb”, com menos de 50g diários desse nutriente) o corpo passa por adaptações fisiológicas, metabólicas e bioquímicas por semanas ”aprendendo” a retirar energia da gordura, quase “ilimitada” no corpo. Como? Com uma condição essencial: com níveis baixos de insulina que só é possível nas dietas de restrição de carboidrato (low-carb ou cetogênica). Reforço: você só fica BÃO em queimar gordura, restringindo o carboidrato. E o que manda o Nutricionista IPI? Que você coma MUITO carboidrato. Ou seja… o Nutricionista IPI é um OBSTÁCULO ao seu desempenho. Fuja deles!

 

Etiquetado , , , ,

O Esporte deve ser visto em seu, processo, não em seu fim.

OU AINDA: A Nutrição Esportiva é míope!

Sempre falo que você JAMAIS deveria deixar um Nutricionista mexer em NADA de seu treino. Nem antes nem depois da sessão. Nem mesmo durante. É como pegar dicas de pesca com um engenheiro hidráulico e não com um pescador. Ambos mexem com água, mas o doutor fará você passar fome. Nunca conheci um Nutricionista que entendesse de Esporte. Não que não exista! Apenas nunca vi um, então me resguardo. P.s.: deve existir engenheiro que pesque bem, espero que tenha entendido meu ponto! E fiz questão de dar o exemplo na direção da pesca e não de pedir ao pescador que construa uma obra, daria a impressão que o título acadêmico é o que importa, e não o expertise… e vocês sabem bem o que penso de acadêmicos fora de laboratórios.

Estou apaixonado pelo Last Dance, a série de Netflix que retrata o Chicago Bulls da era Michael Jordan. No episódio 4 tem uma passagem emblemática. Após apanhar fisicamente nos playoffs contra Detroit Jordan decide que precisa “ir para a academia” ganhar massa muscular no que seu treinador explica a dificuldade que é para Jordan, um dos maiores atletas que já passou por esse mundo em uma modalidade de força tem em ganhar… músculos!

“GANHO FORÇA MUITO FÁCIL”

Qualquer treinador já passou nervoso ouvindo a famosa frase vindo da aluna com menos proteína que um pastel de palmito: “sabe… é que eu ganho músculo muito fácil”. Sim… verdade… o Jordan com mais testosterona que todo o lado feminino da sua família penava para ganhar 2kg, mas você quando faz supino na máquina com 3 tijolos ganha fácil. Faça-me o favor…

Ou ainda o aluno (homem) que quando você pede para fazer 4×5 agachamentos fica preocupado com “medo de ficar pesado pra correr”… O JORDAN NÃO CONSEGUIA! Você corre 10km em 50!! Você agacha com 60kg! Devia ter é vergonha, não preocupação!

Sabe… ganhar músculo é tão, mas TÃO difícil (mais difícil que ganhar força, o que é diferente!) que existe uma atividade que os caras tomam hormônios, produtos que dão câncer para acelerar esse processo, de tão difícil que é!

 

A NUTRIÇÃO É MÍOPE PORQUE O PROCESSO IMPORTA!

Falei tudo isso porque eu farejo a ignorância de um nutricionista nesse assunto quando ele fala em pós-treino pra amador. Falou pós-treino sei que não entende do gingado, passaria fome se a grama mudasse de cor. Isso porque O PROCESSO IMPORTA! Acho que é bem claro pra todo corredor (mesmo os iniciantes) que existem N maneiras de você treinar 10km. Todas te levam para o mesmo lugar (o FIM)! Mas… O PROCESSO IMPORTA!

Você pode andar 10km. Você pode fazer 10km subindo, no plano, descendo… pode dar tiro moderado de 5min e andar 1min até completar 10km. Ou pode dar tiro forte de 3min e descansar os mesmos 3min. O FIM (10km) é o mesmo, mas o PRODUTO final é DISTINTO sabe por quê?? PORQUE O PROCESSO IMPORTA!

 

Não é só que seu Nutricionista por não entender de esporte (já disse que não conheço nenhum que entenda de Esporte??) não entende que um pró precisa de pós-treino ao treinar 15 sessões por semana e tem ENORME tolerância ao carboidrato (que entre outras coisas o faz pró!) e o amador que treina 7 sessões NÃO precisa… é que ele não entende que O PROCESSO do trabalho muscular -veja só – IMPORTA!

A MANEIRA que você atinge o fim (seja 10km, seja 30km ou ganho de massa muscular) é ESSENCIAL porque muda a natureza desse fato. É como achar que correr 10km ou dirigir 10km seja a mesma coisa porque o fim é igual (10km) AINDA QUE a maneira tenha sido distinta.

Sempre que eu falo “olha, não consuma glutamato monossódico” vem alguém e pergunta: “mas qual o prejuízo comprovado do consumo dele?” Sei lá! DANE-SE! Não quero saber! Eu NÃO PRECISO experimentar seu prejuízo para deixar de fazê-lo! É o princípio da precaução. Você não tem medo de comer carne de um gado que foi anabolizado com hormônios e recebeu muito antibiótico? Eu não sei listar todos os prejuízos, eu não preciso saber deles! Como é um processo não naturalístico eu sei que não é bem-vindo sabe por quê? PORQUE O PROCESSO IMPORTA!

 

OU SEJA, a maneira como você treina importa MUITO. “Se a maneira que você ou alcançou é diferente de outra maneira, o que você criou é, de alguma maneira diferente”. Ainda que não saibamos como.

Todo o conceito estúpido do pós-treino imediato se sustenta em 2 ENORMES erros conceituais (o que reforça minha tese de que Nutricionistas Esportivos não entendem de Esporte, já disse alguma vez pra vocês?).

A primeira é a da janela metabólica de oportunidade (e suas variações de nomes). É o unicórnio da profissão. Parte do princípio que o nosso organismo é burro, mas que uma profissão não-essencial e que historicamente mais errou que acertou veio para corrigir esse problema. Desde que você pague, óbvio.

A segunda é que o catabolismo é ruim. Veja só, o catabolismo é ESSENCIAL ao processo de treinamento. Se catabolismo fosse ruim, seja na saúde, seja no Esporte, você teria que PARAR de treinar. Catabolismo faz parte do processo, faz parte da VIDA.

Há um histórico balanço ESSENCIAL de catabolismo-anabolismo. O nutricionista que sugere pós-treino acha que ele deve ser inibido. Com qual propósito ou argumento? FÉ. O processo contínuo de crescimento é deletério, prejudicial, não-natural, nocivo ao ser humano. Uma profissão da área da saúde que ainda não entendeu isso não te ajuda, te atrapalha.

A busca por um contínuo anabolismo sem fim é em si mesmo uma inibição da nossa natureza, do equilíbrio entre anabolismo e catabolismo. Não tem como dar certo. A gente pode não saber COMO, mas isso é o que menos importa. Basta termos em mente que não há lógica neste raciocínio,que ela é não-natural. Tão não-natural como ir de carro por 42km e achar que completou uma Maratona.

 

 

 

 

Etiquetado , ,

A terceira onda

Sempre que tenho a chance pergunto a treinadores como estão os negócios nas assessorias em quarentena. O cenário é geral: queda considerável do número de alunos. O ser humano até aceita pagar por algo que ele não usa, mas não gosta de pagar por algo que ele não pode usar, ainda que faça bem logo logo. Então era esperada e natural a queda.

Mas nas nossas conversas em off no 3 Lados da Corrida acho que eu e o Ricardo Hirsch pensamos bem parecidos: há uma queda agora e quando os parques e academias reabrirem haverá OUTRA queda porque o temor será ainda mais visível. Ou ainda mesmo nas provas… como ficar ombro a ombro com milhares de pessoas?

Isso me preocupa pouco, bem pouco. É a terceira onda que eu temo. Sairemos dessa fase com pessoas passando álcool em gel na caixa da pizza e no pacote de batata palha porque o ser humano é MUITO ruim em enxergar riscos ocultos. Um levantamento (de baixa confiança) diz que espanhóis ganharam 3-5kg até agora. Qual o impacto disso na sociedade? O que a gente JÁ SABE é que a IMENSA MAIORIA dos que ganharam peso NÃO perderá quase NADA dele.

Viveremos em um novo mundo onde as pessoas passarão álcool em seus frappuccinos com 84g de açúcar (pode checar!), gastarão menos energia abrindo as portas (automatizarão o abre e fecha de parte delas). E deixarão de ir aos treinos das assessorias porque -sabe como é, né? – … Porém, se a pessoa PRECISA treinar em grupo a gente SABE que ela NÃO treinará sozinha. E essa pessoa não terá coragem de dividir aparelhos, já que foi isso que a tirou da assessoria.

As pessoas farão menos exercício, serão mais higienistas (o que é a gente SABE que é ruim) e ficarão em casa mais, com mais gordura e menos vitamina D, sendo que ambos têm forte correlação com imunidade mais baixa.

Teremos uma sociedade mais fraca, mais gorda, mais pálida, mais vulnerável, menos ativa, menos móbil, mais MOLE, mais FRÁGIL. O pior (talvez não em números senão em comportamento!) ainda está por vir porque ele será oculto. E esse estrago a imprensa não fará boletins diários nem gráficos bonitos.

Etiquetado , , ,