Leituras de 5a Feira

A Runner’s World fez um curto vídeo compilando alguns números que a Strava divulgou sobre treinos de corrida pelo mundo. O dia mais rápido? 3ª feira. Ritmo médio dos homens? 6 minutos por quilômetro. E por aí vai. Veja aqui (em inglês com legendas)!

O que motiva um ultramaratonista? O que ele tem de diferente (no aspecto motivacional) de um corredor de provas mais curtas como 10km ou maratona? Texto bem interessante na Runner’s World em cima de um recente levantamento!

Auto-jabá: no outro blog escrevo sobre como ter saúde em 2019. Como?! Fugindo dos especialistas!

Sempre fui muito fã da Joan Benoit Samuelson. Soube pela Canadian Running que ela é a única mulher em uma lista de 41 pessoas a terem corrido uma Maratona abaixo de 3 horas em 5 décadas distintas!

*****

Ontem a Sports Illustrated divulgou uma lista dos 50 atletas mais “em forma” do mundo (25 homens e 25 mulheres). Como era de se esperar, aparecem 9 nomes do atletismo. Ei-los: Eliud Kipchoge , Kein Mayer (decatlo), e Jim Walmsley (ultramaratonista) são os homens, seguidos por Dina Asher-Smith (velocista), Gwen Jorgensen (maratonista, ex-triatleta), Emma Coburn (meio-fundista), Courtney Dauwalter (ultramaratonista), Caster Semenya e Mary Keitany.

Aí o ótimo Correndo por Aí jogou a pergunta para seus seguidores: essa lista é “justa”? Se você perguntar para MIM se a lista é “justa” (não me julgo apto a MONTÁ-LA) eu digo: ela é BEM coerente. Sabe por quê?

Veja bem, tempo atrás foi a ESPN que montou sua lista de atletas mais “dominantes” do esporte. Dominante é uma coisa, em forma é oooutra coisa. Eu posso ser dominante no xadrez e ser sedentário, por exemplo.

Eu entendo perfeitamente o debate que ele quis levantar. Incomoda muita gente (sem indiretas!) que triatletas estejam atrás de cross-fiteiros e maratonista recordista mundial esteja atrás de jogador de futebol.

Viemos ao longo das últimas décadas estabelecendo a Maratona e o Ironman como os maiores feitos atléticos que um ser humano pode ter. O que é uma ENORME BOBAGEM. O que essa lista tenta englobar é como esses nomes se saem em várias valências. Força, potência, velocidade, agilidade, resistência, mobilidade, etc. Veja só, correr (e nadar e pedalar), trabalha BEM (com B maiúsculo) APENAS uma delas e permite que você seja bem-sucedido mesmo sendo MUITO fraco nas demais.

Tive ano passado a oportunidade de treinar com 5 jogadores profissionais de futebol. É assustador. ASSUSTADOR o que esses &^%$£% conseguem fazer em um estúdio. Eu jamais colocaria qualquer nome do atletismo (fundo ou velocidade) à frente do Cristiano Ronaldo, por exemplo. A corrida (e o triatlo) infelizmente trabalham apenas um plano. Até mesmo o cross-fit trabalha outros! Se você empurrar um corredor de lado ele cai!

Na verdade – e aqui um pecado da minha parte que insistiu no erro de ler comentários – fica claro ao ler que as pessoas confundem “mais” com “melhor”. Está impregnada a ideia de que correr mais quilômetros é melhor. Por experiência própria eu sei que você pegando um tenista de 3ª classe jovem, ele ganha de mais 95% dos corredores amadores em uma prova de 5km SEM treinar corrida.

Estar “em forma” é MUITO mais do que correr (ou pedalar) quilômetros. A mentalidade precisa mudar. O trabalho para quem trabalha na área é árduo.

Etiquetado

Os números das Meias Maratonas brasileiras! – Anuário 2018

Publico hoje o relatório anual com os números das MEIAS MARATONAS brasileiras e o perfil do meio-maratonista brasileiro. Como vem sendo desde 2011, este é um levantamento único e exclusivo no nosso mercado (aqui você tem ele completo) e busca principalmente colocar um pouco de luz dando números em uma das provas preferidas dos corredores amadores.

No ano de 2018 que se passou podemos destacar:

– Um número recorde de concluintes (pouco menos de 162.000, aumento de 14%);

– Um número recorde de provas (187);

– A participação feminina se estabilizou pela 3ª temporada.

A Meia Internacional do Rio de Janeiro (Yescom) aproveitava a força da TV para ser com folga a maior prova do país despencou para a 3ª posição.

 

Das 10 maiores provas, 9 estão no eixo Rio-SP.

A Meia de Porto Alegre (10ª) é a maior fora do eixo.

A Run City Brasília (11ª) é a maior do Centro Oeste.

A soteropolitana Farol a Farol (17ª) a maior do Nordeste.

A Meia Maratona do Amazonas é a maior no Norte (35ª).

Já a Meia Maratona Internacional Balneário de Camboriu (26ª) é a maior fora das capitais.

 

Para quem acha que é fácil ganhar dinheiro organizando provas de 21km, vale lembrar que nenhuma prova apenas cresceu no período 2011-2018. E das 15 maiores, somente 5 não têm outras distâncias correndo em paralelo, o que mostra como é difícil organizar provas muito rentáveis nessa distância.

 

A velocidade mediana do meio maratonista brasileiro hoje está em 2h19 (~6´35″/km) entre as mulheres e 2h02 (~5´50″/km) entre os homens. O que isso significa? Que se você, homem ou mulher, corre ao menos 1 segundo mais rápido que essas marcas, você chega à frente da metade (50%) de todos os demais corredores brasileiros.

 

Ainda falando em velocidade, se você busca uma boa marca, talvez devesse dar uma chance à Meia Maratona Internacional de Florianópolis, à de Floripa e à Meia de Curitiba, as 3 mais rápidas do país.

 

Para esses e maiores detalhes, entre e confira o exclusivo infográfico com o anuário das Meias Maratonas Brasileiras 2018.

Etiquetado , , , , ,

Leituras de 2a Feira

Auto-jabá: no outro blog falo sobre o que comem os cães e por que ração está longe de ser uma boa opção.

A Runner’s Tribe trouxe uma matéria incrível explicando toda a filosofia de treino dos irmãos Ingebrigtsen. Jakob, o adolescente de 17 anos que fez a dobradinha nos 1.500m e 5.000m no Campeonato Europeu parece ser o mais talentoso dos 4! Confesso que eu sabia pouco da rotina deles… é sempre MUITO improvável que alguém tão novo tenha tanto sucesso apenas com talento, mas a rotina de treino dele é excruciante! Algumas coisas chamam muito a atenção. A primeira, confesso, é saber que o pai e treinador dos 3 não tem formação na área. Só quem é inseguro e se esconde atrás de diploma acha que o mercado deveria ser fechado a diplomados. A segunda é o volume assustadoramente precoce que eles fazem desde muito cedo! Porém, e o pai-treinador deixa claro, a intensidade é baixa justamente em função do alto volume. Por fim, tenho sempre muita versão a ver rotinas de treino e alimentação nessa gente porque um atleta que ganha ouro num Europeu com 17 anos é TÃO singular que acaba sendo estupidez achar que o que ele faz é o que o diferencia, não que ele já é um diferenciado em si! A bela matéria você lê aqui!

Um texto faz um pequeno histórico das placas de fibra usadas principalmente no solado dos calçados. *dica do Carlos Gueiros.

A Runner’s World fez uma lista com alguns dos melhores memes de 2018 envolvendo corrida.

No blog de economia comportamental de um grupo de estudos da FEA-USP novamente a também corredora Flora Pfeifer faz um paralelo do tema com atletismo, desempenho, expectativas mentais, metas, motivação… bem bacana! Leia aqui!

Etiquetado

Primeira Leituras do Ano

Feliz 2019, cambada!!

A Runner’s World britânica dá uma requintada em um artigo da edição americana e faz sua lista das 15 provas mais difíceis do mundo, obviamente tinham que manter uma prova galesa da qual eu nunca tinha ouvido falar.

Womens’ Running e sua interessante lista das 15 corredoras que estão mudando o mundo através da corrida.

Na Citius Mag um artigo explicando por que Mondo Suplantis é o nome que o atletismo mundial precisa. Um adolescente que pode encarar os melhores saltadores de vara do mundo!

Uma fisioterapeuta e corredora escreve e divaga no blog do British of Journal of Sports Medicine sobre corrida e se o tênis da Nike pode mesmo ter tido algum impacto em nossa corrida. Vocês sabem bem o que eu acho. (Não).

Escapou de mim uma entrevista de setembro da Runner’s World com um dos treinadores que mais fez maratonistas nesse mundo, Jeff Galoway!

A federação de atletismo dos EUA tempinho atrás postou em sua conta de Twitter um texto retratando a rotina da adolescente Andraya Yearwood que nascida homem decidiu ser mulher. Acho que não temos absolutamente nada a ver com a decisão sobre o qual gênero a pessoa decide assumir quando adulto (não vou entrar no vespeiro de detalhes sobre uma decisão feita na infância). A postagem da USATF gerou polemica entre atletas mulheres que esperavam justamente pela entidade serem defendidas. A autora do texto, uma ativista disfarçada de jornalista, busca depoimentos de médicos que são ou burros ou igualmente torcedores ativistas, defendendo que o gênero do atleta não impacta o desempenho atlético. Eles dizem que ela pode competir entre garotas, que quem defende o contrário, que não há justiça, é preconceituoso. Tal afirmação é de uma covardia e um mau-caratismo sem fim! É tão asqueroso e condenável quanto pais adultos irem à beira da pista xingar a adolescente. Mas esse tema (transgêneros competindo injustamente contra garotas) é um assunto que TERÁ que ser discutido cedo ou tarde! No caso, Yearwood compete em provas de velocidade com destaque que vem à custa de garotas que comem poeira. Mundo estranho!

Etiquetado

Última Leituras do Ano!

A Runner’s World fez uma lista dos melhores desempenhos na longa distância em 2018. Muito bom!

Auto-jabá: No outro blog eu explico por que você deveria comer muito neste Natal!

Amigo meu, dos atletas mais talentosos com quem já tive a honra de treinar e competir contra, certa vez por causa do trabalho foi morar em Barcelona. Comprou uma bicicleta vagabunda e pedalou por absolutamente todas as ruas da capital catalã. Um cara resolveu correr todas as ruas de São Francisco (EUA). Fez o equivalente a mais de 45km por dia por mais de um mês e meio! Assustador! Falando com o Luís Oliveira, que foi quem me mandou a dica, eu disse que heroísmo (ou “guerreiro”) seria fazer o equivalente tentando completar vivo 100% das ruas de alguma capital brasileira!

Auto-jabá 2: no outro blog eu explico o nonsense que é consumir gel em provas de 12km como presenciei recentemente!

A Runner’s World fez uma lista interessante das provas mais difíceis do mundo. Estão lá a Barkley, a Western States, a des Sables, a Self-Transcendence (o nome entrega!), a Badwater, a Hardrock, a Mont Blanc, a Spartathlon e outras que nunca ouvi falar e de menor fama!

Uma lista da Canadian Running com os vídeos de corrida mais vistos no YouTube!

Etiquetado