Arquivo da categoria: Lesões

Corrida ativa, passiva… causa versus consequência…

Repare no pé do atleta no primeiro plano… Veja como seu pé supina… Com pouca entressola na sapatilha (nome desses tênis de competição) o ser humano (treinado ou que nunca correu com trambolhos nos pés) fica nessa posição pra tocar o solo e fazer N ajustes daí pra cima.

A melhor coisa que a indústria pode fazer pra ela é inventar uma doença (que por ser invenção não existe) e ela mesmo inventar e vender a cura. Surgem os tênis que “corrigem pisada” de supinadores, como se fosse um erro de criação Dele.

Repare ainda no ângulo do joelho do mesmo atleta e do que está escondido atrás dele. Eu disse no post anterior que o joelho NÃO é uma articulação de estabilidade. Quadril e tornozelo são. O que isso nos diz…

Com um contato feito com joelho levemente flexionado você REDUZ a carga de impacto nele, além de armazenar assim energia elástica (em músculos e tendões) pra impulsionar o próximo passo.

Quadril e tornozelo assim é que irão estabilizar a passada, algo que o joelho faz muito mal.

É uma corrida PASSIVA aquela feita com joelho estendido só esperando o impacto, a pancada no solo.

Olhe ainda o pé de trás… Ele vai até o quadril, mas não adianta treinar isso… Isso é CONSEQUÊNCIA não causa da velocidade desse corredor. Por essas e outras que não oriento educativos simulando essa fase.

Foto: Marcelo Nakano – @NakanoFotografias
*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Treinador Clandestino! (a versão impressa você acha clicando aqui!)

Etiquetado , , , ,

Cadência serve para algo?

OU AINDA: a cadência é o VO2máx do nosso século.

Uma das novas manias do corredor moderno que tem aparelho GPS é supervisionar sua cadência, ainda que seja sem tentar interferir demais nela. Seria isso de alguma forma útil?

 

Primeiro alinhemos. Cadência é o número de passos que um corredor dá por minuto a uma determinada velocidade. Os aparelhos de GPS oferecem esse valor automaticamente. Do contrário, um jeito simples de você descobrir a sua é contar quantas vezes você toca correndo o solo com um dos pés (direito ou esquerdo) por exatamente 1 minuto e depois basta multiplicar isso por 2.

 

O valor vai ser algo entre mais de 100 e pouco mais de 200. É aí que a coisa começa a ficar interessante!

 

A eficácia da média de cadência é estatisticamente uma fraude.

 

A cadência passou a ganhar certa atenção quando Jack Daniel, um dos maiores treinadores da história, fez um achado interessante. Em 1984 ele encontrou que os finalistas olímpicos dos Jogos Olímpicos de L.A. daquele ano em seu país tinham uma cadência média de 180 (passos por minuto).

 

De lá para cá este valor virou uma espécie de Santo Graal da corrida. Você deveria imitar os profissionais, uma vez que os finalistas, independentemente da distância da prova, mantinham em média 180 de cadência.

 

Porém, até bem pouco tempo atrás era difícil saber nossa cadência instantânea, sendo assim, ninguém ou pouca gente dava muita importância a essa variável. Uma vez que você paga algumas centenas de dólares em um aparelho e ele te dá essa informação, você acha prudente e útil passar a utilizá-la. Afinal, se o GPS/celular informa, deve servir para algo, certo?

 

Pois é…

 

Hoje os defensores de manter registro da cadência alegam 3 coisas basicamente: que ela melhoraria o desempenho, a eficiência e seria mais seguro (reduziria o risco de lesões). Vamos ver por partes.

 

No esporte é fundamental, ou muito bem-vindo, que observemos o que fazem os melhores. Mas para tal, é preciso separar o que é causa do que é consequência. O que é expressão do que é expressor de uma determinada capacidade atlética.

 

Se você quer imitar os 180 da cadência de um profissional, por que não imitar também o ritmo de 3 minutos por quilômetro dele? Por que não consegue, certo?

 

Eu gosto de dizer que a cadência de um atleta é uma expressão de seu condicionamento. Ele é fruto, não causa. E por que acho isso?

 

Wittgenstein’s Ruler

 

“Quando você usa uma régua para medir algo, você também está usando este algo para medir a régua.”

 

Você sabe que a cadência NÃO pode ser um expressor de desempenho (ou mesmo de eficiência, e tampouco do risco de lesões) pelo fato de que uma vez que você tem o valor dela, você não consegue fazer o caminho inverso, ou seja, com o valor de cadência em mãos, eu não consigo dizer se um corredor é rápido, se ele se lesiona mais nem mesmo se ele é eficiente!

 

Sem essa simetria de duas mãos, essa correlação “a elite corre em média a 180” é inútil!

 

Eu fiz uma série de stories em meu Instagram na qual expliquei esse raciocínio. Você me dá o volume semanal (em quilômetros) de um atleta X (do qual sei sexo, peso e idade, por exemplo) e eu consigo dizer com grande confiança de acerto quanto ele corre nos 5.000m, por exemplo.

 

Você me diz o peso de 2 atletas de altura similar e eu digo quem tem mais chances de vitória em um 10km. Porém, você me dando a cadência eu não consigo tirar NENHUMA conclusão com um mínimo que seja de confiança, seja sobre seu desempenho, sua eficiência ou suas chances de lesão.

 

Um tem 155, outro tem 180 e um terceiro tem 205 e eu não tenho IDEIA de quem chega na frente ou atrás! Ou de quem se machuca mais ou menos!

 

A cadência é assim, uma variável de uma mão, sem relação direta e conhecida com desempenho, eficiência ou lesões.

 

Ao contrário do volume de treino ou do peso do atleta, a cadência não prediz um vencedor, nem mesmo um finalista! Ela tem tanta precisão quanto o acaso, quanto o ato de lançar dados! Sabe por quê?

 

 

Um levantamento recente mostrou, por exemplo, que no Campeonato Mundial de 100km os atletas estavam em sua maioria ou muito acima de 180 ou muito abaixo!

 

E antes que você questione se é correto comparar um atleta amador, em função da velocidade (ritmo) e tempo de esforço desse grupo, temos que um corredor amador é fisiologicamente e no padrão motor muito mais próximo de um ultramaratonista veloz do que de Mo Farah.

 

E falando em Mo Farah…

 

O atleta britânico, após os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016, migrou para a Maratona. E veja que interessante: sua cadência nos 42km é diferente de sua cadência quando compete nos 10km e de quando competia nos 5.000m…

A nossa cadência individual aumenta com a velocidade da corrida! Espera… e onde fica, então, a 180 como ótima??

Como é que é?!?

Houston, we have a problem!

 

Como saber, então, minha cadência ideal se ela varia?!?

 

Uma coisa que nunca nos contaram é que ela varia com a velocidade. Quando corremos em provas mais curtas (e mais rápidas) ela é maior e vai caindo com o aumento da prova (e redução da velocidade)! Como então ter uma cadência ótima se ela é uma para cada prova, piso e tipo de treino?!

 

Os profissionais de corrida que advogam pelo uso e controle da cadência sem má-fé erram em um conceito básico, porém fundamental…

 

A VARIÂNCIA

 

Não só a variância em função da prova! Reforço: já que a cadência muda mais de 10 ou 15 unidades, eu usaria 180 na Maratona, nos treinos ou numa prova de 3km??

 

Sinal vs Ruído

 

Quando olhamos os dados dispersos da cadência dos diferentes atletas vemos… uma enorme variância! Por quê?

 

Porque a cadência e uma expressão de valências físicas distintas, não um expressor! Ela é consequência, não uma causa!

 

(*outro exemplo aqui é que a elite do esporte passa por um filtro natural de seleção… não almejamos ter a altura ou envergadura desses atletas, mas como a cadência é em parte alterável, inventamos que basta “querer” ou tentar ter a cadência “certa”. Atletas de velocidade também têm uma cadência estupidamente alta, o que faz justamente que eles possam ser elite. Nenhum grande treinador sugere que você tente imitar a cadência dos finalistas olímpicos, por exemplo.)

 

Ou seja, ela é fruto (entre outras causas menores):

 

– Dos níveis de forças do quadril e da panturrilha.

– Dos níveis de mobilidade da articulação do quadril e do tornozelo.

– Dos níveis de flexibilidade de toda a cadeia posterior da perna.

– Varia em função da altura do quadril. (*e aqui OUTRO problema… uma simples diferença de 10 a 15cm de altura de um indivíduo pode trazer diferença de entre 10 e 15 na cadência. Quem está certo? Quem está errado? Quem iremos punir com a cadência “certa” por ele ter a altura “errada”?? O atleta mais baixo ou o mais alto? De quem serraremos as pernas para que ele caiba na cama??)

– E, como dito, da intensidade/velocidade da corrida (aumentando com a velocidade).

 

Se a cadência sobe com a velocidade. Então por que os 180 dos mais rápidos do mundo deveriam ser copiados??

Poder variar a cadência na corrida é assim um recurso do atleta! Mantê-la igual ou constante (seja em treinos ou provas mais curtas) é diminuir os recursos de um atleta! E que treinador em suas plenas faculdades mentais gostaria de limitar um atleta tirando um de seus recursos?!?

 

A cadência é inútil?

NÃO!

 

Ela no mínimo deveria ser APENAS um indicativo de que algo vai muito errado quando ela atinge valores muito errados. E quais são eles? Aqueles fora da normalidade! E quais são?

Não sei, mas algo menor que 130, maior que 230.

 

 

Não existe cadência certa, existe cadência MUITO errada. E isso não é a mesma coisa!

Se os melhores do mundo têm enorme variância, por que almejar 180??

 

Ou seja, a cadência não serviria para indicar algo bom (desempenho, eficiência…), mas limitada apenas a indicar algo ruim, que algo está errado e não quando está certo. Ou seja, quando muito distante da norma, abaixo de 130, acima de 230, por exemplo.

 

 

A Falácia do Melhor Mapa.

 

Ou ainda: Dado não é informação.

Ou ainda (2): apenas treinadores sem “skin in the game” usarão a cadência como norte ou guia de treino.

 

Cadência parece ser basicamente ruído. Este é o erro do porquê tentando analisar nossa cadência acabamos por interpretar ruído e dado como se fosse informação.

 

 

Tomemos um exemplo de gerenciamento de riscos de uma maneira– digamos – mais filosófica. Você tem a opção de fazer uma longa viagem em um avião bem chinfrim com tempo ruim. O que você faz? Resolve trocar o transporte por um trem ou ônibus, certo?

 

Ou ainda, o piloto do avião informa que vocês estão indo para Manaus, mas como ele está sem o radar funcionando, ele usará o mapa que ele tem em mãos, que é o mapa da África do Sul, afinal ”é um mapa”.

 

O dado de cadência é o que temos aqui para o seu treinamento! Ele pode ser seu mapa da África do Sul com você tentando voar para Manaus.

 

Porque diabos usar um dado do qual não sabemos sua utilidade em detrimento daquilo que realmente tem correlação conhecida com desempenho e eficiência?!?

 

E mais do que isso. Corrida é o esporte mais simples que existe. Talvez nenhuma modalidade esportiva olímpica tenha sido mais testada, além de ser a de gesto motor mais simples. É sempre mais provável que aquilo que só você vê e que ninguém mais viu ao longo de mais de 100 anos de história desse esporte mostre que você está provavelmente errado e não certo.

 

Quando você encontra padrões nunca antes notados ou levados a sério (olha! 180 é a média dos campeões, venham comigo!) isso faz você ganhar confiança, ainda que seja apenas ruído, fumaça. E o que você faz? Você intervém, ainda que esteja completamente equivocado.

 

Deixar de ver padrões, nesse e outros casos, é uma vantagem, pois diminui a chance de intervenção equivocada! Não é nada fácil transpor um dado estatístico para algo prático e efetivo! E a cadência, sinto informar, não se mostrou ainda efetivo! Para “nada”! Até hoje, em 100 anos de esporte. Mas pode ser que você esteja certo, e todos os que vieram antes, errados. Essa chance existe. Mas eu aposto contra.

 

 

Por isso o título do texto…

Nos anos 60 e 70 o VO2máximo ganhou um destaque porque confundiram dado com informação. A tara foi tamanha que até hoje aparece gente amadora querendo fazer teste de VO2máximo, algo inútil, distante da prática. Faziam testes caros e achavam que ele tinha que servir para algo. Sinto muito, não serve.

 

Por outro lado, se meu pai amanhã inventar que quer correr, sabendo que ele tem zero intenção de correr muito ou rápido, SIM, eu sugeriria para ele correr com cadência “alta” (sem NUNCA citar o número 180), seria o meu jeito de à distância diminuir as cargas em suas articulações sedentárias e septuagenárias. Tirar qualquer outra conclusão disso (mais eficiência, maior desempenho) é um salto de fé que essa informação não me dá. E que eu não tenho coragem de tomar entre meus orientados.

 

Já ao meu outro atleta, aquele que quer correr rápido e bater o PB dele nos 5km, eu NUNCA mexeria em sua cadência se ela estiver entre 130 e 230…

 

E para terminar, vale dizer que o homem que popularizou a cadência, o grande treinador Jack Daniel, jamais argumentou que ela deveria ser usada como vem sendo pregada (buscando melhor desempenho ou como um fim em si). Ele recomenda que ela deve estar próxima (não acima, mas próxima!) do valor de 180 para “reduzir as cargas de impacto da corrida”. E nisso sabemos que demanda um pouco de fé no assunto prevenção de lesões (o que não é um erro por si só), assim como não tem relação com desempenho ou eficiência.

Etiquetado , , , , , ,

TRATAMENTOS DA MODA. Ou ainda “A Natureza sempre dá um jeito”

Uma teoria apresentada em um congresso recente com resultados preliminares encontrou que corredores que pisam com o calcanhar têm economia de corrida similar àqueles que pisam com a parte mais anterior. Basicamente aquele tem uma extensão maior da panturrilha enquanto este teria maior carga. Ou ainda, usando um clássico de Jeff Goldblum em Jurassic Park (1993): a natureza sempre dá um jeito.

A corrida, não podemos nos esquecer nunca disso, é extremamente simples, antiga, facilmente mensurável, acessível e bem disseminada. Tudo que você tentar (e achar revolucionário), é improvável que não tenham tentado antes, então não assuma a priori que nunca alguém tenha pensado e tentado o que você tem mente. É assim que eu vejo alguns especialistas que vivem de enchê-la de espuma.

 

Quando o gelo engana o fisioterapeuta

O mundo dá voltas e a natureza dará sempre um jeito. Parece ter virado praxe a recomendação de aplicar gelo em atletas mesmo em indivíduos não-lesionados. Ignoremos de cara duas verdades do amador: a primeira é que se você paga uma consulta e seu fisioterapeuta/ortopedista fala que você pode voltar para casa sem recomendar nada, você o avaliará como menos competente. Então ele vai mandar você fazer algo que não te prejudique, mas que não o torne um profissional malvisto. A segunda é que todo corredor amador gosta de ser visto como especial, como mais próximo de um atleta profissional (uma mentira) do que alguém sedentário (uma verdade)*. Então ele gosta de ser orientado a fazer algo que seria “para ele” (personalizado) ou próximo do que faz, por exemplo, um LeBron James, que faz gelo ao final do jogo 2 da apertada série de 7 partidas.

*gosto muito da definição da Runner’s World sul-africana que meio que prega que alguém que corra 30 minutos 3 vezes por semana (a maioria absoluta dos corredores) não tenha um estresse fisiológico que impacte e/ou faça qualquer alteração ser necessária.

Não é de se espantar que estudo atrás de estudo encontre que aplicar o gelo após a sessão de treino traria apenas adaptações negativas, contraproducentes ao corredor não lesionado. Eu sempre me pergunto os motivos das pessoas seguirem orientações esportivas de fisioterapeutas, médicos e nutricionistas… sempre acho que é como perguntar sobre hidrodinâmica a pescadores. As coisas se parecem, mas cada um tem seu funcionamento distinto.

Falo isso porque esporte é basicamente gerenciamento de estresse aplicado a um sistema orgânico complexo buscando adaptação. Qualquer prática incidindo em qualquer uma dessas variáveis vai impactar seu resultado. O nutricionista que sugere a ideia estúpida de oferecer uma refeição com proteína e carboidrato (sempre a 4:1!) sem fome impacta o resultado. O fisioterapeuta ou médico que sugere gelo sem lesão impacta a carga. Costumo dizer que essas são ideias tão esdrúxulas, de quem ainda não entendeu o básico, porque seria o mesmo que pedir que a pessoa corra sempre em descida porque as velocidades médias de treino serão maiores, quando no dia da competição a pessoa correrá no plano (ou na subida).

 

O estresse é essencial

O corpo precisa ser submetido ao estresse. Fazer gelo é tirar as condições para que isso ocorra. Isso porque o estresse revela e propicia benefícios que ficam escondidos no conforto. No conforto do gelo para tirar a dor (que não é fruto de lesão), o conforto da palmilha de silicone ou o conforto da refeição a cada 3 horas. Basicamente, podemos dizer que oferecer nutrientes que ele ainda não “pede” é alterar negativamente toda uma rede complexa que é intrinsecamente regulada. O homem parece ser o único animal que vai à mesa sem fome ou que sai dela sem estar satisfeito. E é o único que sofre de algumas doenças crônicas por causa disso. Por isso mesmo…

Não tente enganar a natureza

Por fim, chego a outro estudo interessante, um envolvendo maximalismo e impacto. O resultado de um levantamento é que aqueles que correram com o que é estupidamente apontado como solução por vendedores (mecanismos para reduzir o impacto na corrida) tiveram maiores cargas de impacto em sua corrida. Ou seja, tênis maximalistas geravam maiores cargas de impacto que tênis neutros.

Veja bem, para vender (mais) tênis, vendedores disfarçados de pesquisadores vieram nos dizer que um pedacinho de borracha ao calcanhar melhoraria um trabalho de milhares de anos Do Criador (seja lá quem seja Ele para você). Não tinha como dar certo! A natureza criou e cria o jeito dela de passar por cima disso. Era óbvio que usar tênis grandes mudaria nosso padrão de corrida. Que ao corrermos enfatizando uma parte do pé fariam as lesões apenas migrarem de lugar.

 

O que os profissionais da saúde fazem é mudar para menos a carga de estresse. Só que, ainda que o condicionamento aeróbio seja calibrado pela média da distribuição de cargas, parte deles, os níveis de força, são calibrados pelos extremos (dessas cargas), então, SIM, diminuir essa carga oferendo as intervenções da moda (gelo, crioterapia, meias de compressão, lanche pós-treino, glutamina….) só pode ser contraproducente.

Não caia nessa pegadinha!

Etiquetado , , , , , , ,

Preço de Tênis é imposto. Mas também muito posicionamento de mercado, social e Fé, muita fé.

3 posts bem atuais falam quase tudo o que um corredor precisa saber para entender melhor o mercado de tênis de corrida no Brasil (e também lá fora). O primeiro deles é da Triathlete e questiona: por que alguns tênis custam tão mais que os outros?

Tem o YouTuber que vai tentar te convencer que existe muita pesquisa e tecnologia em tênis de corrida, o P&D (Pesquisa e Desenvolvimento), o wannabe influencer que vai correr 15km com um tênis que ganhou e falar que vale pagar R$699 no novo modelo ou o jornalista que se informa lendo release dizendo as bobagens de sempre. Quem trabalha ou trabalhou com isso sabe que o P&D não tem impacto substancial no custo de um tênis. Não precisa acreditar em mim, é só ouvir outros que são ou já foram do mercado.

O texto explica que “muitas vezes, não é questão se pesquisa gera custos, mas se ela sequer foi feita”. Você vê que “muitos produtos usam o mesmo projeto fundamental. Não houve uma verdadeira pesquisa“. É duro quando o mundo de sonho de tanta gente não bate com a realidade.

Não há uma correlação positiva de preço com lesões (ou seja, quanto mais caro o modelo, menos lesões), na verdade há uma associação oposta! Quanto mais barato um tênis, menos lesões (*associação não é garantia de causa).

Preço de tênis não tem nada a ver com qualidade ao que se propõe, ele é um resultado de múltiplas causas. Ele é fruto de posicionamento de mercado, de tributo (impostos) e de demanda. O Brasil, qualquer um sabe, pois sente na pele, tem alguns dos impostos mais caros do mundo. E assim chegamos ao segundo post.

O Eduardo Suzuki fez uma pesquisa para quantificar o que já sabíamos: pagamos os tênis de corrida mais caros do mundo. O imposto responde? Com certeza. Totalmente? Não.

Aqui entra o posicionamento. É uma questão de valor percebido. Como o público brasileiro para muitos mercados atribui preço à qualidade (além de toda uma questão toda antropológica que daria margem para um pergaminho, afinal correr com um tênis que só se compra indo aos EUA ou que custou 4 dígitos te posiciona dentro da hierarquia social) você vai sempre encontrar tênis muito caros. Sim, a indústria trabalha com uma margem menor do que muita gente sonha, mas o ponto é: não há nenhum incentivo para reduzir os preços quando há… demanda.

O corredor quer qualidade (e acha que preço o garante isso), ele quer pagar caro. Por que vender algo igual por – sei lá – R$399 se pagam sorrindo R$799?

E por fim caímos na terceira publicação que cai em outro ponto fundamental do mercado. Os novos solados vieram para ficar. É item fundamental que a (argh!) tecnologia do tênis seja aparente. Elas vêm e vão. Já foi o Air da Nike, o Bounce da adidas… estão aí o Gel da ASICS, a placa da Mizuno. Você TEM que expor a tecnologia. O texto da Business Insider explica como a ideia das solas traz uma vantagem enorme: você pode moldá-la em qualquer produto, inclusive em modelos casuais (assim você pode andar tranquilo no shopping ou na balada combatendo o impacto com aquela entidade que ninguém nunca mostrou: o amortecimento).

Tênis é uma questão de preço de “tecnologia” visível, de posicionamento social e de fé, muita fé. Sem isso, você não pagaria (sorrindo) o que paga hoje.

*agradeço ao Marcel Pracidelle e ao Igor Oliveira pelas dicas!

Etiquetado , , , ,

Teste de Pisada: o vendedor do mês.

É sempre complicado falar sobre tecnologia de tênis. Isso porque corredores (pagos ou os não-pagos), tal qual o consumidor mediano de outras categorias, colocam na tecnologia um peso desproporcional à sua efetividade, assim o debate sai do campo das ideias e parte para a torcida, vira quase religião.

Diferentemente de um computador, de um celular ou de outro artigo eletroeletrônico, a tecnologia não é a maior responsável pela efetividade desse produto. Isso é tão claro que basta olharmos aos tênis dos profissionais. Quanto menos tênis houver, melhor. E isso vale dos 100m aos 42km.

Assim como colocar a palavra “orgânico” ou “100% natural” em um alimento aumenta o valor percebido da comida, quando o tênis vem envolto em um ar tecnológico e moderno, você aumenta o preço pelo qual o corredor estará disposto a desembolsar por ele.

Se você olhar historicamente, verá que a maior sacada inicial da Nike foi entender que, além de vender mais, a tecnologia tem que necessariamente ser visível. Foi assim com a tecnologia AIR, que não bastava estar lá, a bolsa TINHA que ser e estar visível ao consumidor. Na mesma linha a Mizuno (com sua placa sempre à mostra) e a ASICS (com seu gel) entenderam essa ideia simples, mas essencial. Mais do que possuir gel (ou placa), ele precisa ser visível, colorido. Isso porque um gel branco, ao corredor, pareceria ineficaz. A Nike pode não ser a líder do mercado de running performance (nome da categoria), mas ela lançou a ideia.

Quando trabalhei na adidas esse era um desafio constante. A tecnologia finada da época (Formotion) não era visível. Apenas explicar ao corredor não funcionava, isso porque igual um aborígene de 1.000 anos atrás, se o corredor não vê a tecnologia (que pode ser uma espuma, um pedaço de plástico ou puro ar), é porque ela não existiria. Quando eu estava lá havia mais gente correndo com o também finado bounce (que não era de corrida, mas que tinha bolas vazadas de acrílico no calcanhar) do que os de corrida. Por isso que em treinamento da ASICS se leva um tênis aberto pelo meio com o gel sempre exposto. O corredor, antes de tudo, precisa ver para ter fé.

 

Se você reparar, em toda “tecnologia de amortecimento” (tenho pavor dessa expressão) há um nome rebuscado e algo tangível, que pode ser tocado (a única exceção dos protagonistas talvez seja a Brooks, que quem sabe não só por acaso não decole no Brasil).

OK, essa é uma estratégia do fabricante de te “convencer”. Mas ela não acaba aí. Outra estratégia para convencer sem abrir mão da tecnologia é a análise de pisada, usada pelos fabricantes, lojas e mesmo fisioterapeutas. Quem nunca viu um? Quem nunca entrou em uma fila para fazer um?

A verdade é que um teste de pisada aumenta demais a conversão de vendas. Uma loja que realiza o teste é vista como melhor do que uma sem um equipamento. E quando você consegue fazer alguém realizar um teste, você sabe que aquela pessoa caiu na arapuca e está prestes a virar um consumidor seu.

O que sabemos hoje é que o excesso de opções atrapalha as vendas (“Paradoxo da Escolha”). Se você oferece 40 tipos de geleia a alguém, você cria uma confusão mental tão grande que a pessoa trava e não compra. Mas se você oferece 6 tipos de geleia suas chances de vender aumentam consideravelmente. Não à toa qualquer lanchonete com a opção “monte seu sanduíche” deixa de lado opções já pré-selecionadas (com nomes pomposos) porque ter que escolher dentre 100 ingredientes não é lá muito acolhedor. Visto desse modo, quando você entra em uma loja e se depara com 40 tipos de tênis, nada mais assustador.

Mas daí vem alguém e lhe dá um banho de tecnologia de ponta (“feita pelos japoneses”, “pelos americanos”… nunca por chilenos, por exemplo). E os 30 tênis serão reduzidos para uns 5 modelos. É um combo matador: personalização com tecnologia. Como resistir? Você pode até não saber ou se fazer de esperto, mas quando faz um teste, você já foi fisgado, caiu na armadilha da loja e do fabricante.

“É bem mais fácil convencer o cliente a gastar dinheiro depois de fazer um teste de pisada. Você tem que se questionar eticamente.”

Resolvi escrever esse texto após parar em uma análise das questões éticas em se fazer um teste tão precário (eu mesmo desconhecia um estudo que associa um maior risco de lesão ente aqueles que fizeram o teste!). Como um profissional da área (fisioterapeuta ou ortopedista) pode trabalhar com esse tipo de equipamento sem infringir um limite ético? E na mesma semana, ironia do destino, acabei em outro post. Seu humor e sua graça estão justamente em seu fundo de verdade: um teste de pisada confirma que o consumidor precisa de novos tênis, novas meias, novo quebra-vento e um relógio novo.

Etiquetado , , , , ,