Arquivo da categoria: Leituras

Leituras de 4a feira

No The New York Times a incrível vida, carreira e história da corredora Miki Gorman. Nascida de pais japoneses (em uma China invadida pelo Japão), ela se naturalizou americana e é até hoje a única mulher a vencer as maratonas de Boston e Nova Iorque duas vezes!

Beyoncé e seu companheiro (Jay-Z) fizeram um furor no Dia das Bruxas (Halloween). Isso porque ela apareceu vestida como a ex-velocista Flo-Jo (Florence Griffith Joyner) e ele como simulando os gestos e roupas dos ex-velocistas e ativistas Tommie Smith e John Carlos em 1968. Muito bom!

Momentos antes da prova de domingo li esse belo texto que fala de duas das mais incríveis maratonistas americanas da história: Shalane Flanagan e Desiree Linden! Confesso que NUNCA teria apostado que Flanagan se sairia tão bem (*3º lugar e melhorou sua marca cerca de 30 segundos de quando venceu ano passado)!

Um vídeo bem bacana com a história dos 400m em um paralelo com seus recordes mundiais e a supremacia americana.

No The New York Times uma ode para corrermos sem fones de ouvido.

Aproveitando que esse domingo que passou era a Maratona de Nova Iorque, a maior do mundo, a Nike fez o curto vídeo abaixo!

Etiquetado ,

Leituras pós-Feriado

Off-topic: Sensacional! Canadenses vinham patrocinando uma campanha pra Estocolmo sediar os Jogos Olímpicos de Inverno de 2026. Os suecos agora contra-atacam e financiam parte da campanha pela canadense Calgary! Enquanto isso não falta quem ainda defenda termos recebido os eventos de 2014 e 2016…

Auto-jabá: No outro blog falo sobre Obesidade, Sedentarismo e Equilíbrio.

Medo de estar treinando volume demais? A ponto de ser ruim para a saúde? Alex Hutchinson pondera sobre mais um estudo fala para não se preocupar. Poder correr passa LONGE de dizer que um exercício predominantemente aeróbio contínuo como a corrida seja a melhor alternativa de treino para quem busca saúde. Corrida é bom para corredores e/ou para aqueles que querem melhorar seu desempenho em uma prova/distância. Um dia me alongo, mas correr (ou nadar) são exercícios muito pobres quando falamos de movimento. É lógico que populacionalmente falando, não faz sentido esse alarde de que correr machuca ou mata… ficar ao sofá faz muito mais mal. Mas resumidamente dá para dizer que passados alguns poucos quilômetros semanais (30km?) o custo-benefício se perde tanto que valeria gastar o tempo daí em diante em outra coisa. Um dia me alongo…

Leio tudo que Malcolm Gladwell produz. Dessa vez ele bateu um papo com Alex Hutchinson (autor de um livro no qual Gladwelll escreve o prefácio) falando sobre o que separa os grandes dos demais (nós).

Um texto em interessante fala sobre como pensar demais na forma e na respiração nos torna menos eficiente. Faz todo sentido! Coisas que são feitas automaticamente, gestos automatizados, gastam menos energia. É um limiar tênue sobre onde ficar com a cabeça… entre correr buscando distração (fones de ouvido, por exemplo) e correr preocupado com a técnica parece também não ajudar!

Um argentino correu uma prova local com o número de peito de uma colega. Ele acabou superando todas as adversárias da categoria de sua amiga. Até aí, meio que tudo bem. O que ninguém esperava era que ela subisse ao pódio para pegar o prêmio! E depois ainda postasse as fotos com o troféu!! Isso é doença!! Ou estou exagerando?? No mesmo dia uma matéria ótima no The Guardian falando sobre trapaceiros!

Etiquetado

Leituras de 2a Feira

Saiu o shoe count dos tênis mais usados em Kona, o mundial de triatlo de longa distância (Ironman). Vale lembrar que grande quantidade dos atletas ganha tênis ou via patrocínio ou via mimos por serem muitos deles influenciadores entre os praticantes. Hoka One One manteve a liderança (não me peçam explicações), seguido por um bolo apertado de Nike, Asics e Saucony. Com On Running (em breve com operação própria no Brasil), New Balance, adidas e Brooks em outro bloco logo atrás desse.

26 dicas de Maratona (26.2 milhas) para quem vai estrear nos 42km. Bem bacana para iniciantes!

No outro blog falo sobre o Agudo versus o Crônico, a Escassez e a Abundância na saúde e na Nutrição!

Peter Norman era o atleta branco coadjuvante no protesto dos Panteras Negras em 1968 no pódio dos Jogos Olímpicos do México. Sua história dentro e fora das pistas é incrível e só foi redescoberta muito recentemente. Aqui outro texto fazendo jus ao australiano.

Mais um longo texto falando da transformação da triatleta campeão olímpica Gwen Jorgensen em maratonista. Se tiver mais um vou achar que não é mais de graça! *dica do Igor Oliveira.

Uma Meia Maratona na Inglaterra vai tentar uma inovação. Não haverá no percurso garrafas e copos de água daqueles comuns, de plástico, descartáveis. Os atletas terão que se reidratar com um novo tipo produto cuja embalagem é, garantem, biodegradável. O esforço parece válido, mas sempre acho que é apenas para aplacara a culpa. As pessoas poderão continuar poluindo com coisas bem mais impactantes. É a versão britânica para o canudo plástico da poluída Baía de Guanabara carioca. *também dica do Igor Oliveira.

Etiquetado

Leituras de 2a Feira

Uma ação que as Expos adoram fazer antes de grandes provas: colocar uma esteira gigante onde a pessoa possa desafiar correr no ritmo da elite. Dessa vez programaram a velocidade do recorde mundial da Maratona que caiu mês passado.

No outro blog falo sobre a dieta low-carb e o consumo de açúcar aos olhos do ano de 1825…

Ainda na parte auto-jabá, você conseguiria vencer um Marine? Pois bem, no outro blog falo sobre Exercício, Disciplina e Emagrecimento.

Completou dias atrás os 50 anos de um dos gestos olímpicos mais famosos da história. Posso estar enganado, mas o Esporte Espetacular foi um dos únicos a relembrar o fato.

O The New York Times falando sobre pesquisadores iranianos que criaram um equipamento que melhora em cerca de 8% a economia de corrida de uma pessoa. O parágrafo de abertura é assustador: o equipamento oferece uma ajuda aos corredores que não conseguem acompanhar seus companheiros de treinamento ou aqueles que gostariam de tentar correr, mas temem que seja muito difícil. Parem. Parem. *sou muito indiferente emocionalmente à explosão de obesidade entre adultos. Uma coisa que me corta o coração, confesso, é quando vejo crianças obesas (quase sempre acompanhada de pais obesos). Eu sei o quanto elas vão sofrer entre seus amiguinhos. Criança é bicho ruim! O bullying come solto! Mas outra coisa que me perturba é o aumento absurdo desses carrinhos elétricos levando para lá e para cá pessoas com dificuldade de mobilidade. Sim, muitas delas precisam de suporte. Mas muitas vezes elas servem apenas para dar mobilidade a obesos mórbidos. O ser humano deve ser o único animal que se adoece nesse estado. Não deveríamos achar normal.

Abaixo um belo vídeo repassando a história e a importância do ritmo nos recordes mundiais dos 800m. Duas observações. A primeira é que homens amadores acabam pensando que a estratégia que os melhores da história usaram para determinar a corrida deles serve de espelho. Porém, fisiologicamente falando, eles deveriam se comparar é com os recordes femininos! Isso porque nosso corpo responde ao tempo de esforço, não à distância! Esse erro é comum onde mais? Na determinação de ritmo de maratona em amadores. E segundo, qual a conclusão do autor do vídeo? Ele contraria a lógica e a prática pedindo que a primeira volta seja mais lenta. Ele viu tudo e não entendeu nada. Ele não tem skin in the game.

Etiquetado ,

Leituras de 2a Feira

O The Onion, portal humorístico, diz que 83% dos espectadores de uma maratona só o fazem para ver a desgraça e sofrimento dos corredores.

A campeã olímpica do triatlo de 2016 decidiu tempinho atrás mudar de esporte e se dedicar à maratona com o projeto ambicioso de medalhar em Tóquio/2020. Uma longa matéria do The New York Times fala sobre tamanho desafio!

Um texto bacana de Matt Fitzgerald fala de uma fórmula (não é fornecida!) e as variáveis para encontrar em qual o quilômetro o atleta encontraria o muro na maratona. Faz tudo muito sentido! Ritmo de 10km, percepção de esforço, quantidade de glicogênio que o atleta consegue ter de reserva, relação massa de membros inferiores com a do restante do corpo, vo2máx… Sinto apenas falta dos volumes de treino. Não consigo fugir disso!

A história incrível de um atleta igualmente incrível. Quem é o verdadeiro Arnie Robinson, campeão olímpico no salto em distância.

Etiquetado