Arquivo da tag: Mercado de Corrida

Treino de Força para corredores – curso novo!!

E se boa parte do que você faz treinando força não tenha a utilidade que você deseja em sua corrida?

Parece ser um consenso que o treinamento de força (ou fortalecimento) é uma estratégia muito importante a quem quer correr bem, mais rápido e sem se machucar! Porém, são tantas alternativas, tantos equipamentos, tantas as possibilidades…

Pois nesta imersão apontaremos os pontos mais negligenciados entre corredores, praticantes e mesmo treinadores. Entre eles a ideia equivocada de que um bom treino de força requer muito tempo ou mesmo uma academia para treinar!

Vamos ainda nesta imersão (100% on-line e via Instagram) mostrar os principais pontos na grande maioria das vezes ignorados entre corredores, para você treinar força de forma eficiente e transferível à sua corrida!

Apresentaremos a você os principais conceitos, fundamentos e os exercícios mais eficientes e seguros para trabalhar o ganho de força específica e funcional à prática da sua corrida, para melhorar o desempenho e ajudar na prevenção de lesões.

Tudo isso na academia ou mesmo em casa! Com ou sem aparelhos!

Participando conosco nessa semana você sairá apto a melhorar sua rotina de treinar força de modo produtivo na corrida! Este benefício parece ser de senso comum, mas como fazer isso de forma que seja transferido a esse esporte? Nós ensinaremos a você!

Seja você um corredor iniciante ou mesmo alguém com alguma experiência, esta semana com nós lhe dará as ferramentas para se aprofundar e o fará extrair o máximo do treino de força voltado à sua corrida!

Se você é treinador de corrida, personal trainer ou corredor (iniciante ou experiente!) esta é uma chance única e exclusiva de aprender! Não há nada igual no mercado!

É agora ou nunca! 

Mais informações, visite o site clicando aqui!

Etiquetado ,

A cereja do bolo, o conforto, a base.

Meio que por acaso resolvi dividir com vocês que desde o início da pandemia um ano atrás eu abandonei 100% o uso de meias.

Faz muitos e muitos anos que eu não uso palmilhas. Coisa de mais de década. A primeira coisa que faço é arrancar e jogar fora pra não correr o risco de usar.

E sempre as pessoas se espantam. Como se o ser humano nascesse de palmilhas. Acho um pouco estranho eu ter que ficar explicando por que não uso algo que nunca se mostrou superior ou essencial ou vantajoso.

O Fábio Pierry escreveu em seu Instagram uma sequência de 3 posts bem didáticos sobre a importância do músculo mais subestimado no esporte: os do pé.

 O pé é a base, o fundamento. É a ligação com o solo firme (e por isso acho estúpido o uso de desestabilizadores como bosu e pranchas, isso não existe na execução prática. O solo é firme, a estabilidade pode ser buscada de forma mais inteligente).

Um pé fraco significa menor estabilidade. Menos estabilidade significa menor força. Menos força, menos desempenho.

Um músculo não exigido e não solicitado se fragiliza.

E nada fragiliza e amolece mais do que o conforto, do que o isolamento, do que a mobilização.

A palmilha tira a sensibilidade do pé. A meia tira também (ainda que bem menos) e tira graus de liberdade (mobilização).

Então era mais do que natural que apó\s dividir isso com vocês quem tentasse o mesmo relataria o óbvio:

1. Os pés cansam (décadas sem graus naturais de liberdade);

2. A diferença aparece em dias.

O corredor amador se preocupa com o que vai aos pés e esquece deles. Se preocupa com a cereja do bolo e esquece a base.

Não tem como dar certo.

Etiquetado , , , ,

A corrida é intrínseca, vem de dentro.

Esse da foto é o sueco Daniel Stahl. Ele é um dos melhores lançadores de disco do mundo (campeão mundial) e pesa a bagatela de 155kg. Me responda: quantos caras na sua assessoria correm com uma postura melhor que a dele?
Você pode não entender de atletismo, saiba então que no esporte de Stahl o atleta tem um diâmetro de apenas 2,5m para lançar o mais longe possível um “implemento” de exatos 2kg. E ele faz isso GIRANDO, não correndo! O sueco apenas corre na hora de comemorar mais uma vitória! Ele NÃO treina isso!
A gente vive tempos estranhos. Corredores amadores em um debate sem fim sobre padrão e técnica de corrida. Meu amigo Fabio Pierry acha que o Instagram tem peso nisso! Também acho!
Nunca vi amigo nadador obcecado com técnica ou amigo que joga handebol analisando o “chute com apoio” da elite. Mas corredor amador é MUITO narcisista… se acha especial. E nada melhor do que convencer um cliente de que ele é especial. É só fazê-lo acreditar nessa mentira.
Sempre falo: você precisa entender as demandas do seu esporte. O peso corporal tem dinâmicas MUITO distintas na Maratona e no lançamento do peso. Mas a corrida…
A corrida é INTRÍNSECA ao ser humano! Não acredite em quem diz o contrário! Não se ensina um peixe a nadar porque lhe é natural! No caso de humanos, a gente não ensina alguém a correr, mas TREINAMOS na pessoa as capacidades físicas que proporcionam um gesto que já possuímos, a habilidade de correr!
Dito isso, o treinamento trabalha aquilo que faz a corrida se expressar de sua maneira mais eficiente! Lembre-se: a corrida é a expressão harmônica de um conjunto de capacidades físicas. A corrida em si nós já possuímos.
Mas vão tentar te vender diferente.
Etiquetado , ,

Curso (presencial): Treino com KETTLEBELL para CORREDORES!

Ao lado de meu amigo e treinador Léo Moratta estamos trazendo uma novidade ao país!

No sábado 30 de janeiro das 9h00 às 17h00 estaremos em São Paulo (na região da Avenida Paulista) contando tudo o que você precisa saber sobre treinamento de kettlebell na corrida!

Este workshop será com uma turma super reduzida e exclusiva de somente 11 pessoas! Nele apresentaremos a você os principais conceitos, fundamentos e os exercícios mais eficientes e seguros para trabalhar o ganho de força específica e funcional à prática da sua corrida, para melhorar o desempenho e ajudar na prevenção de lesões.

​O kettlebell é uma ferramenta relativamente bem antiga de treinamento, mas que somente recentemente vem ganhando destaque por sua versatilidade e opções.

Mas como usá-lo na corrida?
O benefício de treinar força parece ser de senso comum, mas como fazer isso de forma que seja transferido a esse esporte? Seja você um iniciante ou mesmo alguém com alguma experiência, este workshop lhe dará as ferramentas pra se aprofundar e o fará extrair o máximo do kettlebell voltado à corrida!

​Se você é treinador de corrida, personal trainer ou corredor (iniciante ou experiente!) esta é uma chance única de aprender! Não há nada igual no mercado!

Nós acreditamos que o kettlebell é uma ferramenta a ser usada e ensinada de forma presencial! Por isso separamos e organizamos uma turma presencial (sábado dia 30 de janeiro).

​Programação:

Ele será realizado sábado  30/1 no estúdio Moratta Fitness & Performance (Rua Pelotas, 415, Vila Mariana. São Paulo/SP, a 1km do Metrô Ana Rosa, ao lado da Av. Paulista). Das 9h00 as 17h00 (com 1h30 para almoço) abordaremos o treinamento e uso do kettlebell na corrida. Passaremos ainda por alternativas de protocolos de treinamento voltados à especificidade da corrida e suas diversas especialidades. Tudo prático e sem rodeios!

Queremos que saia de nosso workshop com conhecimento e ferramentas para ganhos reais na sua corrida!

Gostou? Então aproveite o preço especial e se inscreva clicando aqui!

Para maiores informações, confira o site do evento!

Esperamos você lá!

Etiquetado , , ,

Treinos, planilhas, consistência e sobrevivência

Corria esse sábado no Japi (Jundiaí) quando os 2 corredores comigo falavam sobre como algumas pessoas são “caxias” quanto às planilhas. Se recusam a treinar com outros para não mudar “prejudicando o treino”. Eu tenho uma teoria: planilha de treino vale muito POUCO.

O treino em si que você faz importa MENOS! O que faz alguém ficar bom, como diz alguns dos melhores gringos que conheço, é aparecer na pista dia após dia. O que você faz lá importa MENOS. Você precisa ir e treinar!

Prova maior disso é que a ferramenta mais precisa pra se determinar o desempenho em Maratona leva apenas duas variáveis: volume e desempenho recente em QUALQUER distância.

Periodização, tipo de treino, variáveis fisiológicas, etc… Me fale apenas quanto correu e quão rápido correu recentemente e você tem seu tempo na Maratona melhor do que QUALQUER modelo conhecido.

Dellana explicando Ergodicidade em seu livro (nem vou me atrever a tentar explicar o termo) nos dá um exemplo muito prático dizendo que o vencedor em uma corrida NÃO é o cara mais rápido, “mas o mais rápido dentre os que sobreviveram ao processo”.

Minhas planilhas de treino não são pra fazer alguém rápido! Mas pra fazer alguém correr de forma segura! Que ele possa “aparecer na pista dia após dia” e que sobreviva ao processo. Como? Aí vem a mágica.

Dias atrás em um papo um corredor dizia que o treinador dele liga sempre pra saber como foi o treino, “puxar a orelha por fazer rápido demais”. Aí alguém disse: o Balu nunca faz isso.

É verdade. NUNCA faço mesmo! Por quê? Porque você no meu treino NÃO CONSEGUE correr mais rápido do que eu quero. Pergunte a QUALQUER UM que treina comigo. Por quê? Porque treinamento não é fazer o treino mais eficiente, mas não deixar alguém se machucar pra que ele possa “aparecer na pista dia após dia” e sobreviva ao processo.

A motivação DELE o faz correr rápido a sessão. O SEU treino o impede que não ultrapasse os limites. É ASSIM que ele fica mais rápido.

Alguns dos MELHORES que conheci, grandes amigos, faziam EXATAMENTE isso. Nunca tiveram planilha, apareciam e faziam o treino que alguém estava fazendo. Mas treinavam SEMPRE.

Etiquetado ,

Suplementos? Métodos de treino? Educativos?

“É O PESO, ESTÚPIDO!”

Um levantamento francês encontrou que o peso dos 100 melhores maratonistas do mundo em 2011 é 3,2kg mais baixo que o peso dos top 100 em 1990. Pode parecer pouco, mas como quase a totalidade deles pesa menos de 60kg, estamos falando de 6% a menos de peso.

Nutricionistas IPI, médicos do esporte, corredor amador lento… esses caras parecem bêbados procurando a chave de casa embaixo do poste porque é só lá que o ambiente é iluminado.

Os melhores atletas SABEM o que determina o sucesso em seu esporte. Pareço repetitivo, mas já disse de graça aqui N vezes que na corrida o que importa é: volume de treino, capacidade de dissipar calor e baixo peso.

Quando o nutricionista-burro-IPI vem e diz que “não recomenda jejum no desempenho” ele apenas assina um atestado de ignorância. Primeiro porque os melhores do mundo o fazem há DÉCADAS (e um nutricionista-burro-IPI nunca ensina mais que os melhores).

E segundo porque jejum é um mecanismo de auxílio de BAIXO PESO. Agora volte lá e veja qual é umas das 3 variáveis determinantes de desempenho que listei de graça pra você.

Mas há sempre a opção de estarmos todos muito errados, lógico! Então sempre quando me marcam em publicação em que o nutricionista IPI pede pão francês ou bisnaguinha de pré-treino (ou um dos suplementos que ele tem que vender), me pergunto o que aconteceria se esse sábio estivesse na África, origem de 90 dos 100 melhores maratonistas do mudo… ele faria africanos fazer 42km em 1h35?

O que você acha? Os prós estão errados, mas o seu amigo da assessoria que corre a 4’35”/km está certo?

p.s.: agora na quarentena ajudei um amador em SEMANAS a perder ~14kg (sem fome, sem lanche, sem pré-treino, sem suplemento…). Fez em treino o que NUNCA fez em prova. Qual a conclusão do treinador? “Ah, se consumir mais carboidrato… vai voar…” Pois é! Nem mesmo ele entendeu que a lista que coloquei aqui NÃO fala NADA sobre consumo de carboidrato.

Etiquetado , ,

Ah o pré-treino…

A pessoa decidiu começar a correr, vem de um longo sedentarismo, geralmente com sobrepeso, ou seja, com excesso de energia endógena. Ela nem começou a treinar e já saca a pergunta:

“O QUE DEVO COMER ANTES?”

Como é que é?!? Você nem se mexeu e já quer comer? Nem começou a trabalhar e já quer o salário?

O pré-treino é um dos maiores equívocos de compreensão da Nutrição e – óbvio – de Nutricionistas.

Ah, Balu, mas treinadores tb falam isso…”

Sim, por uma dessas injustiças da vida temos que ter aula de nutrição na faculdade com nutricionistas. É um erro! Eu sei! É como pegar um monte de engenheiro hidráulico pra ensinar uma comunidade de pescadores ribeirinhos a pescar… ambos mexem com água, mas quando o assunto é pesca só um deles tem ideia mínima do que faz. Com Esporte e nutricionista é igual!

SEMPRE que se busca a resposta para algo, a primeira ação deveria ser olhar o mundo lá fora, não o que dizem vendedores. E o que encontramos? Temos que na natureza NUNCA há prévia alimentação a um grande esforço. MAIS: após um animal conseguir energia exógena (externa, a dos alimentos) ele REPOUSA.

Como querer inverter a lógica NATURAL das coisas? Como querer máximo desempenho quando a energia exógena leva a uma redução de atividade e energia interna (endógena)? Apenas acadêmicos enxergam lógica nisso!

E eu não canso de repetir: o treino não-alimentado proporciona adaptações IRREPRODUTÍVEIS ao se treinar alimentado.

Mas indo treinar sem pré-treino como ficam os vendedores? Como ficam aqueles que vivem ($) de traçar uma “estratégia alimentar” toda rebuscada ao cliente?

Eles PRECISAM, eles TÊM que vender ALGO a alguém. E não-comer não é algo! Eles vivem, pois, da não-compreensão.

A própria e a do cliente.

E você? Até quando você vai acreditar que o desejo do especialista muda a realidade? Que o seu desejo de ser especial de ter um pré-treino não faz nada em prol do seu esforço?

Etiquetado , ,

A Cetogênica, o desempenho e a magia…

Eu, como muita gente, gosto DEMAIS de truques de mágica! No filme “Truque de Mestre” (2013) tem uma frase que ensina muito sobre a arte de Houdini: “Quando um mágico acena a mão e diz: ‘Aqui é onde a magia está acontecendo’ é porque o verdadeiro truque está acontecendo em outro lugar”.

O equívoco do preguiçoso é sempre buscar atalhos. O erro do tolo é simplificar o complexo. Tem que ser MUITO ingênuo pra achar que em um mundo que dá literalmente TUDO ao vencedor e é praticamente universal como o esporte, tenha truques simples que somente você e mais ninguém enxergou.

Sou gênio! Vou deixar de comer carne e ganhar tudo porque NINGUÉM pensou nisso antes!

 

Ou ainda… A CETOGÊNICA

Outra frase essencial do mesmo filme: “Sempre há mais do que vemos na superfície“.

Froome carrega incontáveis acusações de doping. Tempinho atrás quando questionado de sua melhora repentina ele atribuiu à dieta cetogênica. Apenas os britânicos e os fãs da dieta acreditam!

Quando você pergunta à Viren sobre seu feito em 72-76 ele atribui a um prato local, mas sempre se cala quando perguntado do doping sanguíneo. Nos anos 90 as chinesas diziam que seus recordes eram frutos de sangue de tartaruga. Quenianos sempre falam do ugali, mas acho que poucos sabem que é o país com o segundo maior número de atletas suspensos por doping (só Rússia à frente).

Há basicamente 3 tipos de pessoas que fazem cetogênica no esporte: os dedicados, os desinformados e os sem talento. Explico.

1. Estar em cetose exige dedicação. MUITA!

2. Quem tem talento (leia-se tolerância ao carboidrato) NÃO precisa da cetogênica para manter o peso baixo! Por que fazer se ela não oferece vantagens competitivas?

3. E por fim, a desinformação. Porque só ela faz o praticante ignorar que não há nem nunca existiu em mais de um século um grupo de atletas cetogênicos com resultados consistentes, expressivos e relevantes fazendo uso dessa estratégia!

Você pode fazer a dieta que quiser, eu não ligo! Ninguém liga! Pode até ser vegetariano! Até tenho amigos que são! Só que tome cuidado quando você acha que é esperto vendo algo que ninguém mais viu.

Etiquetado , ,