“Running tall” (corra GRANDÃO)

OU AINDA: Run like a sprinter

O Ricardo Hirsch nas conversas em off nas gravações do 3 Lados da Corrida sempre fala uma coisa que faz TODO sentido: temos que aprender com os melhores. Quando falo que MAF é distante a corredores as pessoas citam o Mark Allen (um super-homem), que NÃO é especialista! Ninguém aprende a nadar com triatleta, diz o Hirsch, por que insistir em citar o Allen como argumento?

Corrida de longa distância tem um enorme foco na quantidade enquanto os velocistas na qualidade . O texto que postei ontem fala do (aleluia!) foco maior no QUADRIL dos corredores, em detrimento dos pés (tara atual de amadores).

Voltemos aos velocistas. Eles têm enorme foco no QUADRIL, nosso “núcleo” de força. Exercício simples: imagine-se em pé com uma barra com 100kg nas costas. Como é mais fácil sustentá-la por muito tempo? Com pernas estendidas ou um pouco flexionadas como no agachamento? Esticadas, certo?

ISSO é o “running tall”! Você tem uma posição menos fatigável, elevando seu Centro de Gravidade (o que aumenta a amplitude de passada) e, talvez o mais importante, essa é uma posição de VELOCIDADE de nosso músculo de força (lembre-se que Potência é produto de Força e Velocidade). Mas o que você MAIS quer correndo é mais velocidade, não força! A sua potência máxima é sempre a MESMA. Se você aumenta a força (ao ficar levemente agachado) você PERDE aquilo que MAIS quer, a VELOCIDADE!

O IDEAL, diz o artigo citado, é imaginar-se correndo como com uma corda o puxando pra cima. Eu gosto de dizer aos meus atletas que o ideal é imaginar-se correndo com um cabo preso no QUADRIL o puxando à frente e você “tendo” que manter-se “alto”, grandão”. Running tall!!

E OS PÉS?! NÃO IMPORTAM?

LÓGICO que sim! Mas eles NÃO são os maiores geradores de potência. Uma das coisas que nos diferenciam dos macacos é o glúteo forte (veja o tamanho da b&nda da elite velocista), que nos possibilita ser bípedes, mas também… CORRER! Não são os pés! Nosso glúteo possibilita isso, então USE!

Primeiro a gente corrige o quadril (que é BEM mais difícil) e SÓ DEPOIS então a gente olha pros pés. Treinadores de longa distância aprendem DEMAIS quando olham os velocistas.

Etiquetado ,

Um pensamento sobre ““Running tall” (corra GRANDÃO)

  1. Thiago Oliveira disse:

    Balu, e como corrigir a posição do quadril?

    Curtir

Duvido você deixar um comentário...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: