Trabalho duro e sem ‘glamour’

Nos anos de Otto Peltzer (…) havia uma obsessão com o estilo de corrida. (…) A ascensão do atletismo amador no final do século XIX levou a uma sensação de que o trabalho duro e sem glamour poderia ser substituído por um foco no movimento gracioso.(…) Peltzer, sempre individualista, certamente não concordou totalmente com essa visão. Sim, um bom estilo era importante, mas, como explica em seu livro “Manual de Treinamento para Atletas” (1926), era essencialmente uma questão de desaprender: as crianças têm um estilo de corrida natural, que tende a ser “destreinado” por seus treinadores. Franz Stampfl, que ajudou a treinar Roger Bannister para a quebra dos 4 minutos na Milha, fez a mesma observação em seu “Franz Stampfl on Running” (1955).

*******

Recentemente Steve Magness cunhou uma frase incrível: Expertise é você saber filtrar o que realmente é importante.

Eu reforço essa frase porque sempre bato na tecla de que os melhores corredores amadores parecem saber MUITO melhor do que os mais lentos aquilo que os faz… melhores! Ou seja, existe uma hierarquia de prioridades no treinamento. E atleta e treinador devem ter bem claro na cabeça aquilo que é determinante no seu esporte!

Nos meus anos como personal trainer meu aluno que mais me pagava eu não passava mais do que 3 horas semanais com ele! É mais ou menos como você chegar na aula de inglês e seu professor particular dizer que irão estudar (em português) a vida de Shakespeare. É falta de prioridade, não sinal de que não importa!

Peltzer, um dos maiores atletas alemães da primeira metade do século passado achava que, por ser amador, não tinha muito tempo para “investir” em exercícios educativos, então ele treinava duro. Mais. O meio-fundista alemão, bom que era, sabia o que era realmente importante em sua corrida.

É óbvio que você pode ir à pista e investir meia hora em educativos, aos quais não encontramos na literatura muitas evidências sólidas de benefícios concretos e palpáveis seja na técnica, seja no desempenho. Eu escrevo esse texto após voltar da pista de atletismo onde tive menos de 1h30 para dar treino. “Investi” zero em educativos (*na verdade as corridas coordenadas são pra mim o educativo mais específico que existe!)! Por uma questão de prioridade, como eles querem correr rápido, não bonito, ficamos no “trabalho duro e sem glamour”.

Etiquetado , ,

4 pensamentos sobre “Trabalho duro e sem ‘glamour’

  1. Marcos Paulo disse:

    Vou te indagar no seguinte sentido, não existiria, digamos, uma coordenação envolvendo braços, quadril e pernas para proporcionar uma melhor corrida?
    Sempre vemos praticantes correndo de toda forma, uns até com belo rendimento, apesar das passadas “estranhas” (tome como exemplo o triatleta Lionel Sanders).
    Abraço!

    Curtir

  2. Julio Cesar disse:

    Lembro de ter lido uma vez sobre o Haile, quando ele estava no auge:

    – “mas ele corre torto…”

    Curtir

Duvido você deixar um comentário...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: