Leituras de 4a Feira

Auto-jabá: No outro blog falo sobre a relação da saúde com nosso consumo de leite e como pode ser BEM diferente do que imaginamos…

*****

Se tem algo do qual NÃO gosto muito de falar a respeito é da associação que vira e mexem fazem com a corrida nos campos (do tratamento) da depressão e sobre ela causar vício e dependência. Ontem falei de mais um texto desses. Da depressão não gosto nem de falar quando associam a corrida como tratamento para ela. É uma doença TÃO terrível e TÃO estigmatizada que o simples debate com o público dá a entender que a corrida seria uma espécie de remédio. Corrida só pode ser remédio para quem GOSTA minimamente de correr. O indivíduo com depressão não deveria buscar a corrida, mas o ESPORTE como ferramenta de auxílio, NÃO como remédio.

Também ontem, respondendo a dois comentários, tentei explicar que ser viciado é BEM diferente de ter prazer. Gostar de correr não te faz um viciado. Minha crítica ao debate da sua prática ser viciante é porque sempre sugerem ou dão a entender que ela vicia mais do que realmente pode viciar.

Eu tenho prazer em correr (são muitos anos correndo), mas não tenho graves e sérias crises de abstinências quando não corro. Aliás, estou há 10 dias sem conseguir correr (mas treinando força) porque meu calcanhar dá sinais de que precisa de uma cirurgia iminente. Experimente deixar um viciado sem narcótico ou droga todo esse período.

Não é nada simples definir quando algo “te vicia”. Quando falamos de uma substância ser viciante (e eu sei que a corrida não é uma substância) a American Psychological Association (APA) define 7 pontos dos quais havendo ao menos 3 você tem algo viciante. Porcamente resumindo seria: tolerância, abstinência, bingeing (overdose, uso excessivo de uma vez…), desejo de largar, procura/desejo (craving), interferência (negativa) na vida e consumo apesar do mal que causa.

Para alguém ser MESMO viciado em correr tem que ser alguém que corre MUITO. Mas MUITO. Em frequência e tempo (nem estou falando de ritmo!).

Outras coisas REALMENTE e claramente viciam a muitos… açúcar, entorpecentes, cigarro, álcool, fármacos, sexo, jogo… Não precisa ser especialista para saber que não entram todos no mesmo balaio. De uns é mais fácil sair do vício que de outros. Fora que por vezes confundimos hábito com dependência… o hábito (por exemplo, parar para correr dia sim dia não num parque na volta do trabalho para casa) facilita o trabalho ao nosso cérebro (MUITO preguiçoso) porque esse hábito é uma tomada de decisão A MENOS que tem que ser feita. Se você come uma tapioca sempre e somente se você corre há assim ainda a questão de associar a corrida com o fim do expediente ou de uma recompensa.

É a corrida o vício?

Como disse, é complexo. E o debate da corrida ser viciante ou ajudando pessoas com depressão não só acho simplista como quase insensível (com viciados, dependentes e doentes).

*****

Eu não faço ideia do quão sério seja o problema entre amadoras brasileiras, mas um belo e tocante vídeo com as ultramaratonistas Kaci Lickteig, Amanda Basham e Meredith Edwards toca em um assunto que poucos abordam: distúrbios alimentares (anorexia e bulimia) entre corredoras. Aqui mais informações.

Etiquetado ,

7 pensamentos sobre “Leituras de 4a Feira

  1. Luis Oliveira disse:

    Parabens (e obrigado) pela responsabilidade ao falar de depressao.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Tadeu Góes disse:

    Muito bom texto!

    Curtir

  3. Varga disse:

    Boa, Balu ! Ficou bem mais claro agora.
    E excelente o vídeo. A música final da trilha já está minha playlist (para quem interessar: Queen Of The Universe – Jetty Rae).

    Curtido por 1 pessoa

  4. Marcos disse:

    Realmente é um assunto de difícil abordagem, mas valeu por tratar! Entendo seu posicionamento, Balu. Também acho que a corrida como vício é uma raridade. Nada obstante, acredito ser inegável que a corrida, bem como outros esportes de resistência, influenciam o sistema nervoso de maneira diferente em relação às repercussões de outros esportes que envolvam menos “endurance”, ainda que sejam muito prazerosos (e na maioria das vezes são mais prazerosos que correr longa distância). Acho difícil classificar as sensações após práticas esportivas, mas é bem diferente fazer um treino massa de corrida e ganhar a final do campeonato de futebol society da turma. Bem, longe de ser vício, mas isso deve causar essa variedade de impressões sobre o que a corrida representa. Acho que correr longa distância é um estorvo para a maioria das pessoas. Agora para quem gosta a corrida pode fazer muito bem.

    Curtir

  5. Julio Cesar disse:

    Eu sempre fico com sono zzzz … quando leio que alguém é viciado em corrida ou (!) viciado em endorfina.
    Aí nêgo faz 40 km por semana e se diz viciado em corrida !

    Eu particularmente só começo a sentir uma certa falta de correr após uns 7 dias.

    Curtir

Duvido você deixar um comentário...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: