Leituras pós-Boston

BOSTON

Sim, estou atrasado com uns textos, mas por causa da Maratona de Boston vou adiantar aqui 4 links antes de falar mais sobre as duas últimas semanas. O primeiro deles é sobre Yuki Kawauchi. Não sei qual o melhor texto sobre a carreira incrível desse atleta mais do que incrível, talvez o maior dos samurais, o maior dos guerreiros atuais que pode existir mundo afora na Maratona. Em todo o planeta. Então separei este da Spikes que é de 2015, mas ainda vale ser lido. Quando postei aqui no Blog Recorrido ele ainda não era o recordista mundial de sub-2h20 (78 vezes) nem competido no Mundial de 2017. Kawauchi correu 8 maratonas desde novembro e desde 2009 fez 80 maratonas. Uma máquina e competir forte!

A vitória de Kawauchi foi FANTÁSTICA, mas ainda em 1951 outro japonês teve uma vitória marcante. Aqui o longo, mas obrigatório texto que fala quando um sobrevivente da bomba atômica de Hiroshima atravessou o oceano para vencer a mais tradicional das maratonas.

Por fim, a primeira vitória de uma americana desde 1985, de Des Linden foi emocionante, mas para mim a história mais especial desta 2ª feira foi o segundo lugar da também americana Sarah Sellers. Sellers é amadora (enfermeira), pagou a própria inscrição, era uma completa desconhecida! No The Wall Street Journal um perfil dela e detalhe de sua conquista quase inimaginável!

Um vídeo teaser da Maratona de Boston. Agora só em 2019! *dica da Paula Ferreira!

******

Tal qual muito bem disse Ross Tucker: muitas pessoas simplesmente acreditam (em qualquer coisa). Vivemos em uma época, como na política brasileira, que não importa a quantidade de depoimentos (que não podemos chamar de evidências), as pessoas simplesmente preferem acreditar, elas precisam ter fé. Para isso, abrem mão de qualquer argumento (“ele é católico”, “ele é motivado”, “ele defende os pobres”, “nunca o vi roubar”…). O ser humano é maluco e justifica sua opção, qualquer que seja ela. Seja no esporte, seja na política, seja para tudo. Só isso explica como tanta gente no esporte “passa o pano” para o Alberto Salazar como mostra essa bela matéria do Boston Globe.

Um texto muito interessante de Alex Hutchinson explica as mudanças sutis entre treinar sozinho e acompanhado no que diz respeito à nossa maior capacidade de tolerar desconforto e aguentar maiores cargas.

Etiquetado

13 pensamentos sobre “Leituras pós-Boston

  1. Varga disse:

    Balu, eu sabia que vc iria postar sobre esse fato ! E por conta disso, já fui pensando em meu comentário desde ontem.
    Eu diria que a vitória do Yuki Kawauchi foi muito mais do que fantástica, foi épica ! Sabe por que ?
    Porque acredito que existe um abismo entre os profissionais e os amadores. Veja nas Olimpíadas, quem é que rouba a cena, que é tietado inclusive pelos outros atletas ? São os profissionais da NBA, os “futeboleiros” que jogam nos grandes times da Europa. Até rola alguma tietagem com os atletas dos esportes que praticamos mas, é bem mais restrito.
    O ilustre japonês é uma pessoa como nós, não o que os profissionais não o sejam mas, ele é um de nós, entende ?
    E tem mais, enquanto os profissionais estão trabalhando treinando para ter resultados ele está trabalhando sendo bedel e tendo que dar resultados. E depois quando os profissionais estão descansando etc, ele está treinando para ter resultados. Isso é ser amador de verdade, o cara ama o que faz como hobby. E amor não é paixão.
    Então, esta vitória é uma saudação à todos nós amadores, não importando se estamos lá cutucando a elite com um sub2h20min ou se estamos participando do walking dead lá no final da prova.

    Curtir

  2. adrianapiza disse:

    Só não entendi como a Sarah Sellers correu com o número de elite (nome ) e largou na elite. Se tem um tempo de qualificação X já te dá direito de sair na elite? É isso?

    Curtir

    • Danilo Balu disse:

      A organização estabelece um tempo mínimo para a pessoa sair na elite. Se vc o tiver, pode pedir pra sair, mas isso não te garante que vc possa sair, nem que esteja isenta de taxa e mto menos que ganhe cachê. O número de interessados supera as vagas em uma major.

      Curtir

      • adrianapiza disse:

        Então ela tem um histórico de ser uma corredora com tempos bons… pelo menos para poder ser aceita na Elite. O que quero dizer é que quando a notícia vem, já ouvimos um monte de gente já dizendo ou imaginando que ela estava lá sem fazer nada, de repente resolveu correr porque o irmão ia correr, foi lá e ganhou. Não sei porque, as pessoas gostam de histórias assim, de pessoas que (elas imaginam) do nada um dia resolvem levantar do sofá e ganham. A historia é muito boa, mas tem muita gente que entende de uma outra maneira, talvez por se sentir em um nível mais próximo dessa pessoa…

        Curtir

      • Danilo Balu disse:

        Ah sim! As duas enfermeiras (a vice e a 5a no tempo líquido) têm histórico..
        Uma já correu acho que 10 maratonas, a outra 3… Ambas tiveram um histórico de atletismo competitivo no universitário… Quem não conhece o esporte acha que é alguém que fazia academia, corria na esteira e resolveu derrotar alguns dos melhores do mundo.

        Curtir

      • adrianapiza disse:

        A 5a colocada sim, é uma amadora que largou depois, no pelotão amador. Acho que só esse ano isso aconteceu…

        Curtir

  3. Rafael disse:

    Interessante o texto sobre treinar sozinho ou acompanhado. Realmente faz muita diferença

    Curtir

    • Rafael disse:

      aí fica a dúvida. somos seres biologicamente, competitivos ou cooperativos? ou ambos?

      Curtir

      • Varga disse:

        Rafael, eu acredito que somos colaborativos, ou cooperativos como queira. Isto foi crucial para nossa sobrevivência como espécie, veja a Teoria do Homem Corredor. Competir não nos é natural, tanto que precisamos aprender e perceba no seu entorno aquele cidadão ou cidadã extremamente competitivo(a). Ele ou ela não agem naturalmente, é um esforço. E para colaborar é tão mais simples e prazeroso. Sou suspeito, pq trabalho em coworking e meu negócio só se desenvolveu pela colaboração e cocriação. Abs.

        Curtido por 1 pessoa

  4. Fausto Flor Carvalho disse:

    Interessante o fato do japonês voador não pertencer a nenhuma corporação o que praticamente o tira da lista de patrocínios da Federação Japonesa….e da segunda colocada, uma enfermeira que não tem patrocínio algum.

    Curtir

Duvido você deixar um comentário...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: