Leituras de 5a Feira

*nem eu sei o motivo pela frequência dos posts terem caído… não sei se estou ficando mais exigente com o que recomendar  a vocês

Aqui você tem a versão gratuita da revista digital Level Renner edição de setembro/outubro

A Competitor Running separou os corredores em 8 tipos. Acho que erraram… *dica do Helio Shiino.

Seriam os limites físicos coisas criadas pela nossa cabeça? Não deixa de ser curioso como Alex Hutchinson, ainda fazendo relações-públicas do evento Breaking2, tenta esticar um assunto que se prova esgotado, uma vez que o evento que poderia quebrar barreiras mentais, hoje sabemos não ter entregue isso tudo. Recorde Mundial e exceção, é coisa especial, não algo preparado e programado em laboratório ou em discurso. O colunista da Runner´s World vai se perdendo, como nesse texto do The New York Times.

Aqui uma análise de Steve Magness sobre os treinos de Eliud Kipchoge para a Maratona de Berlim. Interessante notar como o documentário recente do Breaking2 fez muita gente acreditar que tecnologia faz diferença quando na verdade tudo é tão mais simples do que parece. O que eu não consigo entender e aprendo demais vendo esses caras é como eles não precisam reduzir o volume antes de grandes provas. Isso é coisa para nós pangarés!

Etiquetado

10 pensamentos sobre “Leituras de 5a Feira

  1. Andre Berlesi disse:

    Outro detalhe que pode passar despercebido no ttreinamento e que não existe nenhum tipo de competição “teste” ou algo do gênero. Existe treino, somente treino.

    Curtir

  2. Rafael disse:

    Balu, que vc acha do Guye Adola?
    em relação ao seu futuro?

    Curtir

  3. Pedro Ayres disse:

    Eu li apenas recentemente o “Running with the Kenyans”, e me pareceu tão claro o que torna os corredores quenianos tão fenomenais: base construída desde a infância (pela vida dura, não por “centros de excelência em tecnologia”), altitude, muito treino, dedicação integral (quem treina não tem outro trabalho)… Com esse contexto em mente, o doc Breaking2 parece uma tentativa frustrada de justificar toda a tecnologia.

    Sobre o controle da mente, alguém me explica como a mente faz quando o lactato trava o músculo e não vai mais…

    Curtido por 1 pessoa

  4. Andre Berlesi disse:

    Ainda analisando os treinos. Vejam só: a cada 6 dias ele fazia um treino ritmado de 30km e a cada 13 dias eram os longos de 40km. Se atentarmos para o tempo decorrido em cada treino vemos que os maiores longos eram feitos em 2:14 mais ou menos. Os de 30km já eram de 1:40. Analisando esses dados entendo que mesmo nos treinos mais longos o ritmo sempre era forte. Não existia treino longo em ritmo confortável… Isso é para os amadores. Hehehe Essa alternância dos treinos de 30km e 40km e bem definida (06 dias), e se analisarmos o treino como um todo, o intervalo e curto considerando volumes e intensidades das demais secções… A recuperação desse cara impressiona… Ai tem.

    Curtido por 1 pessoa

Duvido você deixar um comentário...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: