Leituras de 6a Feira

Runner´s High, o barato do corredor… nunca te vi, sempre te amei. *dica do Helio Shiino.

Um texto bem interessante do The New York Times, mas que deve ser lido com cuidado. Seu título leva a crer que não há jeito certo de correr, que o corpo se encontra. Ele fala sobre o corpo achar sua cadência ideal (acredito bastante nisso) e a amplitude de passada mais “confortável” ao corpo. Mas (bom) treinamento é ainda sobre dar condições ao corpo executar o seu melhor. Uma pessoa encurtada, uma pessoa fraca, uma pessoa usando almofadas nos pés… tudo isso muda o que poderia ser ótimo.

Quando falamos sobre hidratação na corrida, nossas avós parecem estar à frente das recomendações dos “especialistas” que acham que somos camelos ou que somos mais burros que um labrador. Beba quando tem sede. Mais está longe de ser melhor. Alex Hutchinson explica a matemática do porquê é MUITO NATURAL e comum perder peso correndo SEM ficar desidratado.

No blog coirmão: Sobre o Tempo, Sílvio Santos, Jejum e Nutrição.

Um texto ótimo da The New Yorker falando daquele que pode vir a ser o maior nome do Mundial de Atletismo: o recordista mundial dos 400m, o sul-africano Wayde van Niekerk.

Que coisa LINDA esse vídeo da On! #WeAreAllOne *dica do Helio Shiino.

Etiquetado ,

12 pensamentos sobre “Leituras de 6a Feira

  1. Hélio Shiino disse:

    “Quando falamos sobre hidratação na corrida, nossas avós parecem estar à frente das recomendações dos “especialistas” que acham que somos camelos ou que somos mais burros que um labrador. Beba quando tem sede. Mais está longe de ser melhor. Alex Hutchinson explica a matemática do porquê é MUITO NATURAL e comum perder peso correndo SEM ficar desidratado.” (Danilo Balu)

    Tem atos que executamos sem nos atentarmos o porquê disso, não é mesmo?

    Foi por um mero acaso que comecei a adotar essa “abstinência” hídrica, como tática, faz muito tempo.
    O que me induziu a isso nem foi pelas razões citadas no tópico.
    Confesso que foi mais pela questão de logística do que pela plausibilidade.

    Estava em uma fase inicial da prática de corrida e tudo ainda girava em torno de atingir os “Tempos-Subs”.
    Tantas vezes “batia na trave” mesmo que fosse eliminando “supérfluos” e resolvendo as variáveis.
    A coisa aconteceu ao inverso, ou seja, apliquei na prova para depois adotá-la nos treinos.

    Precisava baixar alguns segundos.
    E onde encontrei o excedente?
    Eureka!
    No ato da hidratação!

    Você já fez as contas, por alto, a fim de estimar o tempo que você perde nesta etapa?
    – desaceleração
    – disputa com seu adversário pelo copo de água. (Isso se você conseguir pegar a água)
    – velocidade menor por conta da ingestão.
    – etc.

    Multiplica esse tempo perdido pelo número de pontos de hidratação ao longo do percurso.

    Desse fato em diante, os treinos/provas foram acontecendo por conta da racionalidade. O beber somente quando tiver sede.
    Pode parecer curioso mas minha mente tem se ocupado em administrar a dor física e psicológica que, pelo menos nos treinos, nem me sobra tempo para ter sede! E vamos combinar que correr segurando garrafinha de água ninguém merece!!! Atrapalha muito! Muito menos pensar em cinto de hidratação!

    Para os novatos.
    Já reparou que você “bate ponto” nos pontos de hidratação só porque todo mundo está “batendo esse mesmo ponto”???
    Já reparou que você faz a curva pelo lado de fora só porque todo mundo quer correr na sombra e se forma aquela fila indiana???
    ===>>> Pensar com a própria cabeça não dói!!!

    Curtir

  2. Hélio Shiino disse:

    “Um texto bem interessante do The New York Times, mas que deve ser lido com cuidado.” (Danilo Balu)

    Uma Máxima retirada do texto citado.
    (…) If one form of moving requires less oxygen than another, it is more economical, less strenuous and will be easier to maintain. (…)

    Através da dedicação nos treinos, do perfeccionismo na execução e da percepção dos seus movimentos, você vivenciará a tal da melhora no condicionamento!

    Curtir

  3. james lehm disse:

    Sobre hidratação, pode até ser que você consiga seguir este conselho de beber água somente quando estiver com sede em maratona de rua. Agora, quando falamos em provas de montanha com duração acima de 10 horas, se você deixar para beber apenas quando estiver com sede, pode dizer adeus pra sua prova, porque certamente já estará desidratado!!!Por isso que esta regra não vale para todas as distancias.

    Curtir

  4. Julio Cesar disse:

    Balu, off topic Campeonato Mundial:

    Você acha que Mo Farah corre limpo ?

    Curtir

  5. Mario Alexandre disse:

    Balu, totalmente a título de curiosidade, quais seus melhores tempos nas distâncias de 1k, 5k, 10k, meia e maratona?

    Valeu.

    Curtir

Duvido você deixar um comentário...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: