Leituras de 5a Feira

O ativista, professor e ex-atleta Tommie Smith escreve sobre o legado de Ali fora dos ringues.

Para quem gosta do assunto com tão poucas fontes, a Running Competitor explica como os coelhos ganham seu dinheiro em ano olímpico.

Pobrismo e a pobreza como espetáculo, estão aí duas coisas que abomino. Nunca entrei em uma favela que não fosse para fazer uma visita a alguém, não um tour pago, sapateando deslumbrado sobre a dura vida na pobreza. Porém, não há UMA única vez que eu pegue um táxi no Santos Dumont ou próximo à Rocinha que o motorista não me faça oferta de pacotes. É a espetaculização do sofrimento alheio. Tenho pavor de outra coisa também: a corrida engajada. Não acredito em nenhuma que não direcione 100% da arrecadação à causa. 100%, nada menos que isso. Corrida da Mulher, pela água, pela conscientização… Se você tem retorno financeiro, por menor que ele seja, isso não é filantropia, é sua humildade esperando e cobrando dinheiro pelo aplauso. Semanas atrás rodou por aí um vídeo de um grupo gringo que foi correr no meio da miséria da ditadura cubana (me recuso a colocar o link). O ignorei por completo, mas tive que voltar a ele ao ver dessa vez um curto documentário, o Further, falando sobre uma ultramaratona beneficente feita no paupérrimo Haiti. Poder correr por um dos países mais miseráveis do mundo é coisa para privilegiado que tenta traçar um paralelo entre o horror da vida dos haitianos e seu suposto guerrerismo como ultramaratonistas. Infelizmente não precisamos ir longe… anda na câmara de SP a ideia do nosso prefeito querendo fazer pista de cooper em cemitérios. Nem os mortos respeitamos. Sobre os pobres sapateamos com eles ainda vivos. O corredor é realmente o sujeito mais vaidoso e egoísta que existe. 

Veja aqui um curto vídeo do camping de treinamento da Nike feito com jovens velocistas americanos.

Abaixo o vídeo com os melhores momentos do forte meeting britânico Birmingham!

Etiquetado ,

4 pensamentos sobre “Leituras de 5a Feira

  1. Linus disse:

    Aqui em Colônia – Alemanha um dos parques muito usados para correr na cidade na verdade é um dos cemitérios mais antigos daqui.

    Curtir

  2. Julio Cesar Kujavski disse:

    Sempre fico com uma sensação esquisita quando vejo coisas como: “Compre kms e ajude a instituição x, y z.”. Quando na verdade o sujeito está é usando o nome das instituições e o sofrimento de crianças e doentes parra realizar seus projetos pessoais, geralmente ultramaratonas e essas baboseiras.

    Tem uns por aí que vivem só disso hoje em dia.

    Curtir

  3. Luis Oliveira disse:

    Não existe maneira mais fácil de ganhar dinheiro do que apostar na estupidez e na vaidade. Corridas engajadas são só uma versão limpinha de outras coisas horrorosas que andas por aí, como a Vê são odara – color run – ou a versão guerreiro – military run.

    Curtir

  4. sei lá, mas acho que se o sujeito organizar a corrida e parte da grana for para caridade, ótimo. De qualquer maneira ele organizaria a corrida e ganharia seu dinheiro. Não acho que o fato de ser filantrópica impulsione as inscrições, se for, é pouca coisa.

    Curtir

Duvido você deixar um comentário...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: