Leituras de 5a Feira

2 recordes mundiais atípicos caíram essa semana. O primeiro foi a Beer Mile. Ele é impressionante quando você leva em conta que o novo recordista, Lewis Kent, correu 4 voltas em uma pista de atletismo em 4´51” parando para beber uma lata inteira de cerveja a cada volta!

O segundo foi o recorde mundial nos 100m em 4 apoios (?!?). Como um macaco, o japonês Kenichi Ito percorreu a distância em pouco mais de 15 segundos! Aqui o vídeo e matéria no The Telegraph!

Eu sei que o assunto já é quase excessivo, mas ele TEM que ser discutido. Na Athletics Illustrated um texto excelente com o tamanho do estrago do doping sistemático e estatal de países como Rússia, China, Turquia, Marrocos e mesmo Quênia.

8 coisas que você não sabia sobre a monstra Allyson Felix que completou 30 anos!

Você que paga (muito) caro para correr provas com obstáculos, sujeita, lama, nome pomposo em inglês achando que está fazendo algo novo, talvez valha ler esse texto de 2013 da Running Times sobre a Mud Run original que chegava a ter mais de 30m e durava até 4 horas!

Um texto no blog do Juca Kfouri (desculpe!) explica a ENORME burocracia de se organizar uma corrida no Brasil. Nesse espaço, bandit é chamado de bandido. Simples assim, não tem pipoca, é BANDIDO. Que quer se aproveitar de trabalho e dinheiro alheio.

A Ju Falchetto fez uma versão pessoal de 56 coisas que as mulheres pensam durante uma maratona.

E abaixo, já que não tem vídeo hoje, vamos de foto! A maior corrida de 100m de todos os tempos! Quero saber, quem VOCÊ acha que levaria? E o resto do pódio??

IMG_20151114_233744

Etiquetado

14 pensamentos sobre “Leituras de 5a Feira

  1. Ralph disse:

    Sobre os “bandits”, esse último fim de semana corri a maratona de Curitiba e lá depois do Km 30 avistei um posto de hidratação, me posicionei a esquerda para poder pegar a água. E no momento em que quase estava esticando o braço, ouvi uma voz dizendo assim: ” arruma uma agua ai”. E quando vi era um cara de bicicleta que passou do meu lado e pegou a água que seria dada pra mim. Acabei tendo q esperar o próximo posto. Fiquei muito puto. Alem do cara ser sem um completo sem noção, o funcionário da prova foi conivente e deu a água pra ele.

    Curtido por 1 pessoa

    • Marcio Manzi disse:

      O funcionário só tem duas mãos e dependendo do trecho não atenderia nem os pagantes, uma solução poderia ser a disponibilização em mesas. Vejo muita gente parando para se hidratar. Realmente Ralph, uma situação desagradável.

      Curtir

    • Julio Cesar Kujavski disse:

      Hoje em dia nas maratonas brasileiras tem quase a mesma quantidade de ciclistas e maratonistas.

      Eu se fosse organizador seria bem rígido com isso, desclassificando (retirando o nome da lista de resultados da prova) todo maratonista flagrado sendo apoiado por ciclista, afinal é o que está na regra.

      Uma vez desclassificado e depois de muito xingar no tuíter e se sentir “injustiçado”, na próxima maratona ele vai pensar bem melhor antes de levar um ciclista junto.

      Mas com essa coisa de tratar o corredor como “cliente” é que estraga tudo, afinal nenhum organizador quer desagradar seu cliente.

      Curtido por 1 pessoa

  2. Julio Cesar Kujavski disse:

    Eu apostaria no Bip Bip

    Curtir

  3. João disse:

    Por que o pedido de desculpas pelo texto do Juca?

    Curtir

  4. Adolfo Neto disse:

    Juca Kfouri: um dos poucos jornalistas de esporte brasileiro a reclamar da CBF e da Fifa antes que o FBI entrasse na estória.

    O blog dele é quase 100% futebol. Como não gosto tanto assim de futebol, quase não acompanho. Mas quando ele escreve sobre política, quase sempre acerta.

    Curtir

  5. Adolfo Neto disse:

    E no fim das contas o cara indicado pelo prefeito Fernando Haddad estava certo. O próprio Erich Beting reconheceu. Quem errou foi a empresa contratada pelos organizadores da Timão Run.

    Curtir

  6. Adolfo Neto disse:

    Uma outra questão é: será que é mesmo errado ter toda esta burocracia? Será que não é uma forma de proteger os corredores de organizadores muito ruins?

    Tem um livro, acho que do Gladwell, dizendo que uma banda de rock dava um manual cheio de regras para os organizadores de shows. Uma delas era não ter balas marrons. Segundo o livro, isto salvou a banda de um acidente. Se é verdade ou não, não sei.

    Curtir

    • Danilo Balu disse:

      Na verdade não sei se é certo ou errado, bom ou ruim, justamente porque não fui ver a burocracia por trás de outras coisas ou cidades semelhantes. O teor está ligado ao fato de MUITA gente achar que criar corrida é barato, fácil de organizar e te deixa milionário. É um dos maiores argumentos dos bandits citados no parágrafo. Só quis mesmo mostrar toda a epopéia de se organizar uma prova.

      Curtir

Duvido você deixar um comentário...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: