Os números e a força da Maratona da Disney entre os brasileiros

mickey runDificilmente falo de alguma prova em especial. Mas não dá para ignorar uma prova que leva mais de 800 brasileiros a correr tão longe e por tantos quilômetros. Seus números colocam a Maratona da Disney como a 5ª maior em número de brasileiros, não é pouca coisa! E vou provar que ela tem um peso ainda maior.

No gráfico abaixo faço um paralelo dela e de Buenos Aires (em vermelho), uma prova tecnicamente ótima e a preços honestos. Ano passado ela foi a maratona internacional com mais brasileiros na história, roubando um recorde da própria Disney de meses antes. Se olharmos ano a ano veremos que as duas crescem em uma forma diferente, mas sustentada. A projeção exponencial (linha verde) é que a prova argentina não ultrapasse a americana. Meu chute? Vai passar. Ela precisa crescer metade dos 30% de 2013-2014 para conseguir isso. E aí vem o primeiro de 3 segredos.

Primeiro é que a Disney cresce aos saltos. Ela era a 3ª ou 4ª prova preferida no exterior. Hoje é a líder, ainda que por meses. E ela depende mais do câmbio do dólar (ou da crise, que a Dilma insiste em negar) do que a portenha da paridade Peso-Real. Repare na linha amarela que mostra uma queda no ritmo de crescimento da Disney, sinal claro da atual crise. Não precisa entender muito de logística para saber que correr com o Mickey Mouse envolve mais planejamento.

O segundo segredo é o que os números não dizem. Em 2013 8 brasileiros inscritos não correram a prova. Em 2014 foram 13. E em 2015? TREZENTOS E VINTE brasileiros não foram correr apesar de inscritos. Sinal que – de novo! –  a crise pesou. E muito.

O 3º e último segredo é que a Disney tomou uma proporção tão grande, que esses 320 inscritos poderiam fazê-la páreo às maratonas de Porto Alegre e Curitiba em número de concluintes. Eu não sei vocês, eu acho isso um assombro. Isso mostra que somos um país apaixonado por Orlando e que gosta de correr 42km, desde que seja lá fora.

Comparação entre as maratonas de Buenos Aires e Disney

Por fim, sobre os resultados… vi e soube que vocês andaram batendo boca porque teria havido ufanismo nas vitórias brasileiras na Disney. Sei lá, acho que minha formação em esporte é diferente da maioria… eu gosto de esporte, estou pouco ligando pra nacionalidade de quem ganhou. Não me interessa se é amigo do Fulano, se é bonito ou se é brasileiro ou latino-americano. Não estou nem aí! Não me verão dizendo “orgulho de ser brasileiro” se um ganha ou um “que maravilha de dobradinha”.

O que você não se pode fazer é culpar o(s) vencedor(es) pelos tempos serem tecnicamente “fracos”. Isso é um absurdo! Você tem é que culpar quem acha que uma maratona que não atrai muitos atletas da elite sirva de métrica pra quem pensa que entende do gingado. Deixem os atletas, pô! Por outro lado, parem de encher com essa de “que maravilha, Brasil”, nacionalismo é refúgio de covarde. E isso não é nem nacionalismo, é desconhecimento mesmo. Falo isso porque quando se para pra ver, nem Rio, SP, POA ou Curitiba, que pagam prêmios em dinheiro tiveram dobradinhas brasileiras!

A questão é que todo mundo já sonhou em ganhar uma prova, que fosse uma volta no quarteirão entre amigos. O que dizer então de uma com quase 20.000 concluintes? E o que dizer de uma tão famosa e especial? Vai culpar e criticar o atleta por perseguir esse sonho? Tenha dó, vai! Deixemos de ser implicantes! Todo mundo corre atrás do sonho que quiser.

Etiquetado , , , , , , ,

23 pensamentos sobre “Os números e a força da Maratona da Disney entre os brasileiros

  1. Tem o 4ª segredo: esse ano a Maratona de Buenos Aires cai em um feriadão (12/10) o que deve atrair ainda mais “maraturistas”.
    Outra explicação para esse grande número de desistências na prova da Disney pode estar relacionado com a dificuldade de conseguir vagas. As inscrições se esgotam rapidamente e logo no começo do ano. Acredito que alguns atletas se inscrevem por impulso e depois tentam achar um jeito de arcar com os elevados custos da viagem.

    Curtir

  2. Essa implicância com os vencedores da Disney tem muito a ver com o Adriano Bastos, que sempre despertou o desprezo de muitos corredores por conseguir ganhar um bom dinheiro mesmo tendo tempos “fracos” para um profissional.

    Eu não vejo nada demais, tanto o Adriano Bastos como os vencedores atuais sabem que não estão em condições de competir no primeiríssimo time e preferiram ser vencedores na Disney do que 50º lugar em Nova York. Qual o problema?

    Curtir

    • Julio Cesar disse:

      Também não vejo nada demais. Mas convenhamos que um atleta profissional vencer maratona onde só tem atletas amadores não é tão difícil assim né. Se venceram apenas atletas amadores não precisaria tanto ufanismo. O Adriano Bastos divulga como um grande feito até vitória em meia maratona nos USA com o tempo de 1:13, correndo contra amadores, aliás, bem amadores. Afinal tem graça um atleta profissional competir com amadores ? Quantos atletas profissionais estavam lá este ano ? Provavelmente somente os quatro brasileiros. Enfim, a mim não me enganam.

      Curtir

      • Jorge disse:

        O Adriano Bastos divulga qualquer vitória dele, não importa o tamanho da prova.
        Ele vive disso, ele é bom no marketing.
        Acompanho o Facebook dele e vi recentemente uma prova da Harley Davidson no interior em que ele participou, e, como bom marketeiro que é, disse várias vezes que gosta de Harley, que é o estilo de vida dele, etc, etc, etc, sem que nunca tivesse feito nada disso antes.

        Curtir

  3. Conheço alguns brasileiros que não correm maratona se não for internacional (o internacional, no caso, é qualquer coisa fora da América do Sul). Sei lá se é o (pseudo) status que dá correr no exterior, se é todo o papo de majors, etc…
    Estreei ano passado em BsAs, esse ano vou pro RJ, quero em breve fazer São Paulo. E estou planejando pra daqui uns anos (até 2020) fazer o Goofy’s Challenge, mas pela diversão em si.

    Abs!

    Curtir

  4. Enio Augusto disse:

    Por tudo que a Disney ou as outras maratonas do exterior entregam e mostram, não há comparação, embora nada tenha a reclamar das maratonas que fiz no Brasil. Nada de errado, mas nada de espetacular.

    Se esse boom todo da corrida fosse anos atrás, acho que a Disney passaria de 1000 fácil. Até achei bastante este ano, com dólar a 2,70. A fatura do cartão vai lá em cima. Só os bem providos de dinheiro ou com um porquinho BEM gordo tem condições.
    Se minha fatura vem com os 347 dólares da inscrição da Maratona de NY, vou à falência. Haja cheque especial haha. Se tivesse condição, certamente faria provas seguidamente no exterior, ou até moraria lá fora.

    Curtir

  5. Marcos disse:

    Concordo totalmente com seu assombro e também fico assombrado.

    Entretanto, em relação à crise, o contraponto é que mais pessoas foram à Disney (inscritos e concluintes). Não estou certo quanto à natureza dessa crise, quem está sendo afetado. Não tenho dúvidas que economicamente poderíamos estar em melhor situação, mas tenho visto um número maior de famílias em melhores condições financeiras. Não estou dizendo que isso mérito dos nossos governos, talvez qualquer governo colhesse esse fruto diante da atual configuração demográfica favorável do país (que será nossa grande crise futura a ser enfrentada).

    Além dessas coisas, o produto que a Disney criou é muito vendável aos brasileiros. Os desafios e os parques. Acho que considerando a totalidade dos corredores no Brasil, é a Maratona mais vendável entre todas. Claro que é preciso muita grana para realizar todo o sonho (às vezes só do corredor, às vezes da família toda). Eu respeito a Disney por ter criado esse produto. É uma aula de visão de mercado, de estratégia. E deve ser tudo muito organizado. Reconheço que o apelo dos desafios é interessante e pode proporcionar muita satisfação para as pessoas que encontram significado neles (e isso me parece legal; não é ironia). Acho que nunca vou fazer porque prefiro correr uma maratona com o que puder entregar de melhor. E se for para fazer 5k, 10k, 21k e 42k em dias seguidos existem muitos outros lugares mais interessantes para mim.

    Abraço.

    Curtir

  6. Felipe disse:

    Cara, impressionante. Difícil tentar explicar, acho que vai mais pro lado que vc citou, de que brasileiro adora orlando. Buenos Aires tem muitas atrações, é perto, é barato demais e tem uma prova boa, não excelente. Falo isso porque fiz as duas provas em 2014, posso afirmar, a maratona de Buenos Aires tem muitos detalhes para acertar. A começar pela entrega dos resultados, divulgar resultados numa planilha de excel, tendo que revisar o resultado mais de 8 vezes é no mínimo vergonhoso. Veja, Balu. Ano passado, a maioria dos resultados teve um erro de 3 a 4′ para MENOS! Isso é bizarro. Meu tempo foi de 3h00’33”, mas no oficial conta como 2h57′. O que tem de gente usando esses tempos como qualifiyng não é brincadeira. Outra coisa, é que esse ano deu uma esquentada, e a água estava quente do 30 pra frente, isso porque eu terminei em 3hs, que não é tão lento, imagina a galera de 5hs+. A Expo é simplória, tímida, pequena.
    A Disney é o primor de organização, uma expo fabulosa, dentro de um complexo esportivo gigantesco. O percurso é muito diversificado, vc passa em 4 parques, passa num autódromo, numa pista de atletismo, num campo de beisebol, enfim, acho que tudo isso justifica a procura dos estreantes. Dentro dos parques o apoio popular é grande.
    O ponto chave para mim, é a data. Janeiro é mês de férias escolares, para quem tem família, é juntar a fome com a vontade de comer. Viaja, corre a maratona, passeia com as crianças e para quem gosta, muamba. Fora a questão dos desafios como bem citou o colega acima. Essa venda de desafios mexe com as pessoas, de correr provas seguidas, de medalha extra, e falo sem ironia também, pois já fiz o Pateta, e foi bem divertido.
    Abraços e parabéns pelos gráficos.

    Curtir

    • Jorge disse:

      Concordo com seus pontos sobre Buenos Aires. Outra falha (a maior, na minha opinião), foi que diversas vezes, na segunta metade da prova, carros, caminhões e motos cruzaram o percurso!

      Curtir

    • Emerson Magrão disse:

      Concordo plenamente com os teus comentários Felipe.
      Corri a Disney em 2013, no Desafio do Patete, e no ano passado corri em Buenos Aires.
      O profissionalismo dos americanos é incomparável! Muito superior ao dos hermanos!
      Estes ganham apenas no quesito preço, e talvez a comodidade de ser mais próximo.
      E tem algo que percebi bem nítido: a beleza!
      Na Disney, mesmo nos trechos mais inóspitos, você corre em meio a bosques e vegetação. Em Buenos Aires eu corri mais da metade da prova entre caminhões de carga e contêiners! E com tanto lugar bacana por lá!..
      Viva a Disney!

      Curtir

  7. Mauro Leão disse:

    Cada um livre pra correr onde bem entender… Corro pra baixar meus tempos, só por isso, e POA me dá condições de correr sem stress… Sei que tudo funciona lá nas grandes, mas correr com 20/30 mil pessoas deve ser um pouco tumultuado (provavelmente estou errado). Corri três vezes em POA, e estou indo pra quarta lá (13ª maratona), e nunca tive nada a reclamar… Gosto do “vazio” de lá rs abraços!

    Curtir

    • Felipe disse:

      Porto Alegre é muito boa. Para mim, é melhor que Buenos Aires. A cidade pode não oferecer em termos de turismo, mas a prova em si é muito bem organizada. Corri em 2013 e não tenho um “a” para falar.

      Curtir

    • Carlos disse:

      Mauro, se vc comprovar um bom tempo vc pode largar na primeira onda e vai nem vai ver os 20/30mil participantes que estarão atrás de vc.

      Curtir

  8. rlucchesi disse:

    Oi Balu, também fiquei encucado com esses 320 brasileiros “DNF” na Maratona e fui cruzar uns dados… Descobri que destes 320, 217 (a maioria) também se inscreveram na Meia (logo estavam no desafio Pateta ou Dunga). Destes, 99 completaram a Meia, os outros não (podem ser DNF ou DNS). Depois cruzei com o resultado do 10k e achei 4 caboclos que fizeram 10k, mas nao fizeram Meia nem Maratona, apesar de estarem inscritos.

    Então, temos 103 (99+4) pessoas que não fizeram a Maratona, mas foram pros Estados Unidos pois fizeram a Meia ou o 10k. Ou seja, a estes (aprox. 1/3 dos 320) não podemos atribuir a crise econômica como motivo. Talvez seja cansaço, não deram conta do Desafio, comeram muito picolé do Mickey (rsrs), sei lá…

    Abs!

    Curtir

  9. […] Minha amiga de BH, a Ju Falchetto, mandou um link com uma lista das melhores maratonas americanas em cada estado. Nada de Nova Iorque, Boston, Chicago ou daquela que é a melhor maratona do mundo segundo os brasileiros: a da Disney. […]

    Curtir

  10. Eu nao vou negar, que, morando nos EUA, deu um certo orgulho de ver brasileiros ganhando. Pode ate ser covardia, mas nao consegui suprimir meu sentimento.
    Gostei do artigo, e realmente, concordo que muita gente se inscreve “por impulso” e depois nao tem como arcar com os custos. Ou datas (ferias, etc).
    Tambem acho que, com o aue da maratona da Disney, ate’ eu, que moro aqui nos EUA e nunca fui pra Disney, quero corre-la.
    Vamos bater palmas para o Marketing. Nesse quesito, americanos, lideres absoluto em como saber vender.

    Curtir

Duvido você deixar um comentário...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: