As Meias Maratonas mais rápidas do Brasil

Um tempinho atrás coloquei aqui no blog algumas informações que levantei com dados das provas brasileiras. Uma era sobre o tempo médio dos maratonistas brasileiros comparando com os americanos. Cheguei ao que seria o tempo do homem brasileiro médio e também o tempo da corredora brasileira média. Com isso também chegávamos às quais seriam as “maratonas mais rápidas do país”.

Em outro post aqui no Recorrido mostrei o padrão de curvas dos concluintes da Golden Four ASICS de 2011 a 2014. Não é correto estender esses dados como sendo o comportamento de todo corredor brasileiro nos 21km, mas é claro que há uma inflexão na curva exatamente no ponto das 2h00, mostrando ser esse um desejo acima do comum para aqueles que correm a distância. De modo um tanto provocativo eu disse: o sonho do corredor de Meia Maratona brasileiro é correr abaixo das 2h00.

Resumidamente, temos que o brasileiro médio é um pouco mais rápido que o americano médio (4h14 x 4h16) e a corredora brasileira tem uma vantagem um pouquinho maior sobre a americana (4h34 x 4h41). Meu palpite para uma explicação é mais baseado no número baixo (de homens e mulheres) correndo aqui. Uma prova sempre cresce nas baias mais lentas, não nas mais velozes. As brasileiras são em número tão reduzido que isso explica elas terem vantagem ainda maior.

Com dados de todas as 90 Meias Maratonas brasileiras em 2014 tentei chegar a um valor aproximado do tempo médio do corredor brasileiro. Eu peguei as medianas das 15 maiores provas do país. “E por que 15?”, alguém poderia dizer. A primeira explicação menos técnica é porque o blog é meu. Um segundo argumento um pouco mais diplomático é porque nos EUA eles usam provas com mais de 2.000 concluintes tendo necessariamente mais de 1.000 em cada sexo. Para a amostragem não ficar muito pequena (5 provas), afrouxei para 2.000 no total, independente do sexo. Chegamos assim às 11 maiores provas. Estendi então para as 15 maiores para que o volume chegasse a 60.000 corredores (60% do total), dando mais segurança aos dados.

Então abaixo você tem as tabelas com as 5 Meias Maratonas mais rápidas por sexo. E aquela que seria uma aproximação da média do corredor brasileiro de 21km.

Assim como nos 42km, os brasileiros são nos 21km muito discretamente mais velozes que os americanos. Outra coisa é que o corredor médio brasileiro na Meia parece ser mais ou menos do mesmo nível que o dos 42km. Isso porque quando usamos calculadoras de tempo correspondente, (no caso McMillan e Jack Daniels) temos entre 4h38 e 4h45 para elas e projeção entre 4h08 e 4h13 para eles. Ou seja, quase igual à média real dos 42km.

Comparação Brasil e EUA

Comparação Brasil e EUA

Por fim, as Meias Maratonas…

As Meias mais rápidas do país em 2014 em função das medianas.

As Meias mais rápidas do país em 2014 em função das medianas.

No feminino… Se não me surpreende que a Golden Four ASICS São Paulo esteja entre as 5 de média mais rápidas, me espanta que seja “só” a 4ª. Surpresa é a Mizuno Half Marathon de cara ter colocado as duas grandes provas (SP e Rio)! Enquanto isso, a Subway de Curitiba parece atrair corredores rápidos da região. E a da CORPORE parece fazer aquilo que desconfiamos aqui em SP: atrair em suas provas corredores mais engajados em desempenho e treinamento. *no masculino ela ficou em 7º.

No masculino a Golden Four ASICS Brasília confirma o que qualquer um desconfia, coloque um declive de quase 100m entre largada e chegada e você vê tempos irreais, mesmo numa cidade quente e numa prova fora da época (*no feminino ela ficou em 6º). E se a de Curitiba de novo me surpreende, a Mizuno Half Marathon parece ter atraído muita gente rápida em SP e no Rio, a ponto de mesmo com a alta umidade carioca colocá-la em 4º (*esse ano choveu, mas a umidade estava lá!).

Ao menos o que os números mostram é que quando falarmos em prova rápida, foi a Mizuno Half Marathon quem entregou o que prometeu Golden Four ASICS.

Era isso! Deixei passar algo? Comente!

Etiquetado , , , , , , ,

17 pensamentos sobre “As Meias Maratonas mais rápidas do Brasil

  1. Julio Cesar disse:

    Bom Dia Balu

    Vou relembrar meus velhos tempos e falar bem objetivamente:

    Falando apenas dos homens:

    Mas que médias mais ruins hein ?

    E as Golden Four.. não eram pra ser provas de “performance” ? Que performance é essa de 1:53 ?

    É muita teoria na internet, muita assessoria, muita suplementação, muita periodização, muita “prova-alvo” pra um desempenho tão pífio.

    Ano passado fiz só uma meia, a de Floripa, praticamente sem treino, e fechei em 1:31:40, e já tenho 47 anos.

    Acho que os corredores devem treinar mais forte e deixar de mimimi. Meia maratona em 1:53 é fraco demais.

    Um abraço.

    Curtir

    • Danilo Balu disse:

      É difícil não concordar com 95% do que vc disse… não acho 1h53 nada fraco, mas não “dá direito” a ficar cheio de papo.

      Curtir

    • Alexandre Andrian disse:

      Concordo que a MEDIANA seja fraca, Julio Cesar.
      Mas ao mesmo tempo, para a galera um pouco mais rápida a G4 é, sim, uma prova de performances altas. Pelo menos na minha experiencia.
      Em 2013 eu fui peguei o 92º lugar com o tempo de 1:22:30 na Golden de SP. Se fosse em outra prova, a colocação seria bem melhor….

      Curtir

  2. E olha que se a Mizuno Half aqui de SP não tivesse aquele caracol com mtos cotovelos no final, o tempo médio creio eu seria melhor! hehe

    Mas o melhor do post foi o “A primeira explicação menos técnica é porque o blog é meu”! Muito bom!

    Abs!

    Curtir

  3. Fernando Castro disse:

    A organização da meia daqui (Curitiba) cometeu todos os erros possíveis e imaginários, tanto que deixou de ser Meia Maratona de Ctba para ser Meia Maratona Subway.
    O nosso trajeto não é dos melhores (foge bastante de uma prova plana, com subidas consideráveis, notadamente no km 16), mas acredito que a época do ano, fria, ajude o desempenho.

    Curtir

  4. Adriana Piza disse:

    Realmente na G4 SP e a de Curitiba o frio deve ter ajudado! Agora chama mesmo a atenção a Mizuno RJ, normalmente calor e úmido… Será que foi por ter menos gente, a amostra ser pequena? Aliás, uma curiosidade que tenho…. Variou muito a mediana das 15 provas? (E das 90?) em que posição ficou a maior?
    Acho que a diferença pelo menos das 5 maiores mostradas não é grande, dá pra dizer que não só a Mizuno, mas as G4 ( e a de Curutiba) entregaram o prometido pela Golden Four!

    Curtir

    • Danilo Balu disse:

      Não há uma correlação clara “número de concluintes x tempo médio”.

      A maior (Rio Yescom) foi a mais lenta das 15. Ela é um mamute, cresce sempre nas baias finais. E tem TV, sol, 9am… a da CAIXA (Rio) mesmo sendo a 2a maior tem boas marcas.

      Curtir

    • Nishi disse:

      Adriana, a edição da Mizuno RJ de 2014 não foi quente. Ou seja, o clima ajudou também. Tava um clima muito bom para padrões de RJ (ou seja, um clima razoável para paulistanos), com tempo nublado, até uma rápida garoa antes da largada e sem ventos fortes. Isso tudo aliado a um percurso rápido (ida e volta numa avenida supermega plana) pode explicar essa boa qualificação de desempenho médio da prova.

      Curtir

  5. Daniel Lemos disse:

    Um tanto quanto curioso. Devemos mudar então a percepção de que uma prova para ser considerada rápida não depende do percurso/clima e sim dos corredores que dela participam? rs. Digo isso pelo nível técnico da G4, que em tese não tem um dos percursos mais favoráveis para uma “prova rápida”.

    Parabéns pelo blog.

    Curtir

    • Danilo Balu disse:

      Eu chutaria que são 3 fatores principais:
      – os corredores participantes;
      – clima;
      – altimetria (percurso)

      Curtir

    • Nishi disse:

      Uma hipótese: como é uma média, evidentemente ao mesmo tempo que muitos corredores rápidos puxam a média pra tempos mais baixos, muitos corredores lentos puxam a média pra cima. Por mais que a G4 tenha uma média boa entre os mais rápidos, não dá pra escapar do fato de ser uma prova já consolidada e com uma boa imagem de prova bem organizada, o que faz com que ela acabe atraindo muitos iniciantes, também interessados em uma prova “rápida” para a sua estréia por ser também “fácil”, nesse sentido. Um estudo com os 10% mais rápidos talvez alcançasse resultados diferentes.

      Curtir

      • Adriana Piza disse:

        Sim, imagino se os resultados seriam os mesmos considerando a porcentagem de sub 4/km e sub 5/km para homens e sub 5/km para mulheres por exemplo, será que não seria melhor para avaliar prova rápida? Sei lá, cada critério que for escolhido poderá mudar um pouco os resultados….talvez fazer tudo isso e comparar? Um pouco mais de trabalho rsrsrs.

        Curtir

      • Nishi disse:

        Aliás, onde escrevi “média”, leia-se “mediana”. O Balu me mata se confundir isso…

        Curtir

  6. […] Brasil cresceu 30,8% em 2014. Enquanto lá as mulheres são 61%, aqui elas são somente 25,5%. Os brasileiros (homens e mulheres) são um pouco mais rápidos que os corredores americanos. Os homens lá fazem em média 2h02:55 enquanto o brasileiro faz 2h00:17. Já as brasileiras fazem […]

    Curtir

  7. […] O tempo médio dos americanos é de 2h02:55 entre eles e 2h21:22 entre as mulheres nos EUA. Somos provavelmente apenas um pouco mais rápidos: 2h00:17 entre homens e 2h15:47 entre […]

    Curtir

  8. […] os links para textos sobre Meias Maratonas no Brasil, as 50 maiores provas do Brasil (em 2014), a velocidade do brasileiros nos 21km, dados das maratonas brasileiras em 2014 e a velocidade média da maratonista […]

    Curtir

Duvido você deixar um comentário...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: