De Corrida. Mas também de sorte, xadrez, pombos e golfinhos.

No rastro da mais acirrada eleição presidencial brasileira da história, o The Washington Post perguntou: será que como eleitores sabemos diferenciar o que é sorte, acaso ou competência?

Não quero nem vou entrar no debate político, mas será que o eleitor consegue reconhecer a enorme sorte que Lula teve com o cenário econômico mundial em sua 1ª gestão enquanto crescíamos menos que a média? Será que os eleitores de FHC sabem diferenciar o que é pragmatismo econômico do que é sorte no combate de uma hiperinflação que caía “coincidentemente” em inúmeros países ao redor do mundo?

Vamos ser um pouquinho menores e introspectivos no questionamento: será que sabemos diferenciar sorte (genética), acaso e competência (mérito, dedicação e disciplina nos treinos) na nossa corrida? Será?

A vida e o que ganhamos dela é uma grande loteria.

A vida e o que ganhamos dela é uma grande loteria.

Já fui um fã ferrenho da meritocracia. Abandonei esse entorpecente perigoso mais precisamente quando li “O Andar do Bêbado”, um dos livros mais incríveis que já li. Basicamente o mundo parece que seria um lugar muito mais justo se ela funcionasse, mas é um tanto quanto fácil para nós defendermos isso agora que já subimos a escada e queremos dar um pontapé nela, pois se você está lendo este parágrafo é bem provável que você tenha uma sorte muito maior do que a média da população mundial. Muito mais sorte!

Pois é meio que natural ficarmos na defensiva e acharmos que aquele “tempaço” que fizemos naquela prova X é fruto de muitas noites encurtadas para podermos treinar (madrugada ou de noite), de muitos treinos feitos vencendo uma preguiça enorme. O problema é que tendemos a ignorar o que ganhamos de presente o que nos caiu no colo, o que não vem/veio com mérito algum. Nos vangloriamos do que conquistamos enquanto minimizamos o que nos deram de fábrica. Nesse sentido, a corrida é tão injusta quanto o futebol, sem essa de falar que é o esporte mais justo. Não é. Você muito provavelmente não corre mais ou menos que Fulano porque se dedica mais.

Um texto bacana enviado pelo amigo PC lá de Buenos Aires resume um caso clássico, o das irmãs húngaras Polgar, transformadas em estrelas enxadristas por um crente da supremacia do esforço sobre o talento natural que treinou as garotas ao extremo até elas virarem um sucesso absoluto no xadrez. Mas para cada caso das irmãs tenistas Williams, espremidas ao último para virar um caso de sucesso, existem outros inúmeros que se perdem pelo caminho, como explica o meu amigo Rodolfo Araújo em um ótimo e curto vídeo sobre o Viés do Sobrevivente. As irmãs Polgar e as Williams podem ser só uma materialização do Golfinho Benevolente. Ou seja, você olha o exemplo de um golfinho bondoso salvando náufragos achando que é sempre assim quando na verdade – não sabemos! – os golfinhos seriam em sua maioria malevolentes sanguinários afogando sobreviventes sem que saibamos desses casos, afinal, eles não viram artigos, livros, nem documentários.

Mas e o que isso tem a ver com a sua corrida? Não é pouca coisa, como indiretamente nos mostram estudos do famoso psicólogo americano Skinner. Em um texto excelente também do Rodolfo Araújo, temos que em experimentos com pombos, eles tinham comida liberada de forma aleatória que faziam as aves criarem hábitos baseados em recompensas irregulares, hábitos esses difíceis de serem quebrados porque as recompensas intermitentes transformam gesto em compulsão porque, sem saber da aleatoriedade, elas acreditavam que alguma atitude delas havia liberado a comida e passava, assim, a repetir aquela dança específica na esperança da repetição da ocorrência.

Pombos são inteligentes ou nós é que somos burros muitas vezes?

Pombos são inteligentes ou nós é que somos burros muitas vezes?

Se o pombo girasse o pescoço para a direita no exato momento que a comida aparecesse, ele imaginava que a comida havia aparecido graças a isso e, assim, passava a girar a cabeça para a direita freneticamente.

Mas somos muito mais espertos e inteligentes que um pombo”. Sim! Com certeza! Mas o gesto do pombo parece a dança daquela pessoa corredora que dá exatos 5 tiros de 1 volta (nem mais nem menos!) porque foi assim que funcionou na última vez que teve a recompensa, ou seja, que conseguiu um ótimo tempo nos 10km. O suplemento que ela toma é sempre o da marca Y porque foi quando tomava esse que veio o recorde na Meia Maratona. E o último longão tem 32km e não 31km porque… bom, você entendeu o ponto.

As coisas que fazemos na corrida é muito baseado na tentativa e erro. Mas quantas maratonas conseguimos correr realmente forte e treinando muito? Nossa amostragem na vida acaba sendo muito baixa e as variáveis, inúmeras e incontáveis. Mas queremos sempre ter controle de tudo, isso é muito humano. Mais do que isso, queremos tomar pra nós méritos ignorando que muito, mas muito, é fruto apenas do acaso que ou desconhecemos ou, talvez pior, tentamos enxergar um padrão onde ele sequer existe. E isso de sabermos tão pouco da corrida não deixa de ser fascinante. Mas só é assim quando somos humildes o suficiente para aceitar que sabemos muito pouco, que temos controle de quase nada e que, ainda assim, não temos IDEIA de qual será o resultado da equação.

*Ah! Sabe aquele “tempaço” que escrevi lá atrás? Foi entre aspas porque você e seus pais podem até achar um tempaço. Mas a menos que você faça dinheiro correndo, esse seu tempaço é um nada. É disso que falo quando falo de humildade, de sabermos pouco e sabermos que somos pequenos, bem pequenos, menores que um pombo.

Etiquetado

13 pensamentos sobre “De Corrida. Mas também de sorte, xadrez, pombos e golfinhos.

  1. Fernandão disse:

    Ótimo texto. Parabéns.

    Curtir

  2. Julio Cesar Kujavski disse:

    Sim, por isso outro dia eu pedi para um comentarista do blog me mostrar um corredor que tenha começado com 40′ nos 10 km e tenha chegado nos 30′.
    Ele não me mostrou porque não existe tal corredor. É como diz o ditado: Quem é bom já vem do ovo.

    Curtir

    • martinhovneto disse:

      Oi Júlio! O comentarista fui eu rsrsrs. Eu também pedi para você me mostrar o dado onde diz que todos os corredores sempre foram bons desde o início. Não vou conseguir dar esse dado e nem você. Mas lhe dou dois exemplos. Um que está anotado (rsrs) de um corredor ex obeso e fumante, E outro meu, que comecei a correr a pouco menos de um ano. Mas ai você pode dizer: Então você “veio do ovo assim”. Ai vamos recorrer (recorrer, recorrido saca? kkkkkk, não resisti!) ao texto do Danilo, que nos apresenta uma equação que mistura nossas qualidades inatas, esforço, treino, etc. O ótimo texto é muito sobre isso (acredito eu), não temos como ser deterministas diante da quantidade de variáveis que temos até chegarmos a um atleta de elite.

      Danilo gostei da didática sobre o pareamento e reforço intermitente. Mas não se preocupe, existe a extinção do comportamento tb rsrs. Belo texto. Parabéns.

      De quebra, coisas estranhas, mas legais:

      Curtir

      • martinhovneto disse:

        mais que eu digo é mas! kkkk

        Curtir

      • Danilo Balu disse:

        Parece aquele Kangoo de correr rsrsrs

        Curtir

      • martinhovneto disse:

        Valeu, e ainda deu uma guaribada na acentuação :). Parece, mas o cara teve que mudar umas coisas pra não ter quebra de patente rsrs. Dizendo o site, esse treco faz uma pessoa correr a 40 km/h.

        Curtir

      • Hélio Shiino disse:

        – Dizendo o site, esse treco faz uma pessoa correr a 40 km/h. –

        O que na verdade não é bem um treco. (risos. brincadeira)
        Falando sério…
        Isto é o resultado de uma análise comparativa entre o homem e os animais velozes que se adaptaram ao longo do tempo para correr.

        Não irei transcrever uma observação que fiz, em 22/set/2012, no inativo blog do Sérgio Rocha – Corredólatra – por ser muito extenso. O meu comentário é o de número 20. (A partir do 7º parágrafo do comentário)
        http://revistacontrarelogio.com.br/blogs/corredolatra/2011/02/09/correr-descalco-ou-com-o-newton/

        A idéia está longe de ser genial. Desculpe-me a sinceridade. Conclusão essa que eu já havia tirado faz 02 anos. É uma mera boa observação apenas.

        Para complementar, fixe nas imagens relativas a inspiração e ao protótipo deste link

        O camarada projetou uma estrutura que fosse similar a pata traseira dos animais que coloquei como exemplos – cavalo e cão. Velozes como tais por conta da postura da pata traseira.

        Se lembram da estrutura das próteses daqueles corredores biamputados???
        Segue o mesmo raciocínio funcional.

        Ainda bem que eu continuo sempre observando o comportamento dos animais…

        Curtir

      • martinhovneto disse:

        Coloquei errado de novo. Guaribada na pontuação. Valeu Danilo. Helio boas observações. Queria usar este negócio. Deve ser bacana.

        Curtir

  3. Adriana Piza disse:

    “…a menos que você faça dinheiro correndo, esse seu tempaço é um nada.” Muito boa a frase! Nada como a humildade!

    Muito bom os textos (o seu e os citados aqui) !

    Curtir

  4. Rodrigo Richard da Silveira disse:

    Balu, se você gostou do “O Andar do Bêbado”, vale a pena também ler “Subliminar” do mesmo autor. Abraço.

    Curtir

  5. Leonardo disse:

    Texto confuso, cheio de generalizações e dá muitas voltas pra chegar na essência que se queria transmitir. Você pode fazer melhor do que isso, Sr. X (x por não ter assinado o texto).

    Curtir

Duvido você deixar um comentário...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: