Leituras de 4a Feira

A Marcella Franco do portal R7 resolveu pegar pesado e bater no corredor-chato, aquele sujeito que você sabe que existe, mas que jura que não tem nada a ver com você, absolutamente nada, mesmo que 98% do seu assunto em eventos sociais gire em torno de corrida e dos seus feitos “””atléticos”””. Não fique bravo com ela, afinal, você sabe que no fundo no fundo, ela não está de todo errada.

12 fatos sobre o Maximalismo.

Aahhh a organização de provas… a revista Outside traz uma matéria impecável sobre Dean Reinke, um cara que faz da corrida um negócio lucrativo sempre de olho em como a lei que deveria nos proteger, pode inocentá-lo. Imagino um sujeito desses no Brasil… Só lendo a matéria para acreditar!

Um levantamento bacana (e paciente!) da brasileira Jambo Sports Business revela alguns número das maratonas pelo mundo. “Apenas” 163 (das cerca de 400) consultadas têm title sponsor, ou seja, o patrocinador fazendo parte do nome oficial. 52 desses são do mercado financeiro! Das marcas esportivas como patrocinadoras: ASICS (27,1%), adidas (20,3%), Brooks (12%), New Balance (10,9%), Mizuno (6,8%), Nike (6,3%), Saucony (4,2%) e outras. Mais números e a apresentação completa você tem clicando aqui.

Nunca peço nada a vocês, mas soube de uma dessas coisas que parecem só acontecer no Brasil… é sobre um querido colega, o Edson Bindilatti, da atual equipe de bobsled brasileira. Vou deixar um relato mais preciso, feito por outro amigo. Esse é o meu pedido de hoje, que leiam o relato que segue abaixo:

O Bindilatti está em Sochi, é capitão da seleção brasileira de bobsled, e 2 dias antes de embarcar teve sua moto roubada em frente ao ginásio do Ibirapuera, onde trabalha. Sobre o Edson, é um cara fino, sorridente, sempre simpático, mas que teve uma vida dura; família pobre que veio do sul da Bahia pra SP e foram morar em Mauá (cidade da região metropolitana de SP, um lugar pobre e com pouca infraestrutura). Mas apesar disso, se dedicou ao esporte quando criança, e acabou sendo um dos melhores decatletas do Brasil. Com isso, conseguiu bolsa em uma faculdade e cursou Educação Física em SP (ainda morando em Mauá e treinando, naquela rotina que se vê todo dia no Datena ou programas do tipo: o cara sai de madrugada de casa, e volta somente à noite, com horas dentro de trem, ônibus, metrô, etc…). Hoje o Edsão é casado com uma atleta também, é técnico da seleção juvenil de salto com vara, e assistente na seleção adulta, dá uma ou outra aula de “personal”, e ainda faz parte do bobsled desde o início do projeto em 2000. Ou seja, o cara é o pretinho pobre da periferia que venceu tudo na vida pra ser um cidadão de bem, um cara honesto, sério, trabalhador, e nunca seduzido por “atalhos” no seu caminho, apesar de todas as suas dificuldades; e resume ainda a situação do esporte brasileiro: um mínimo de conforto e estrutura pra seus atletas, que tem que se virar e ter vários empregos pra poder sobreviver e representar o país, convivendo ainda com a cultura do “ganhismo” brasileira – se não foi primeiro, perdeu… Por isso eu peço: se puder, para colaborar com qualquer quantia com a vaquinha desse link para que o Edson possa comprar sua moto pra poder trabalhar. Em nome do esporte amador, em nome da solidariedade com um batalhador, em nome de um país melhor feito por nós. Ele merece. E eu agradeço de coração, de verdade!”

A P&G mais uma vez testa nossa capacidade de segurar a emoção com outra continuação de sua campanha no mote “Obrigado, mãe”. ATENÇÃO: Cuidado! Os olhos podem suar ao ver o vídeo abaixo:

Etiquetado , ,

6 pensamentos sobre “Leituras de 4a Feira

  1. Hélio Shiino disse:

    A respeito do que a Marcella Franco escreveu. Claro que é uma visão debochada e bem humorada. (risos)

    atleta amador (objeto de análise)
    não atleta amador (“analista”)

    Dependendo da análise crítica paciente e coerente, o não atleta amador poderá ver o atleta amador como um perfeccionista ou um viciado, ou apenas mais um como qualquer outro, sem rótulo.
    E caberá ao atleta amador receber qualquer que seja a opinião do outro, com naturalidade.

    Mas é fato que a perfeição alheia, seja em qualquer área de atuação, incomoda, e muito, e por conseguinte, alvo de críticas positiva ou negativa!

    Mas enfim…

    Curtir

  2. Faz tempo que enjoei desse papo de corredor amador que só fala em prova-alvo, meu treinador, lesão, foco, objetivo e ainda por cima coloca na internet todos os treinos que faz. É muito papo pra pouco ou nenhum desempenho.

    Curtir

  3. Humberto Mauro, cineasta brasileiro, dizia que todo mundo tem que ter sua cachaça. A dele era o cinema. A de alguns é a corrida.

    Curtir

  4. gelmi disse:

    Sou chatos sim admito. Chatos magros e com bom condicionamento. Uns com mais condicionamento que outros claro. Filme emocionante

    Curtir

Duvido você deixar um comentário...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: